Total de visualizações de página

domingo, 4 de junho de 2017

#LETRAS-DE-SER - EQUIVALÊNCIA ESTILÍSTICA DE UM TEMPO PELO OUTRO# Graça Fontis; PINTURA Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


O relevante é que você concebe e delineia seu exclusivo rumo, seu destino criado, re-criado, in-ventado, sonhado. Você é sua vida.
Suas meditações têm vindo a edificar seu futuro. Esposou, separou… faz parte da sua sensibilidade e sentimentos reais da vida.
Capacitam ou não seus desejos? Que importa quem perceba…. Não compreende quem não detém erudição ou sensibilidade para suas utopias do eterno. Fácil? Não. Não é… mas quem se debruçar sobre ela é fascinante…
Você desfruta, adentro de si, todos os expedientes que exige para sua plenitude.
Credencia na possança infinda, invisível em seu intrínseco, para sustê-lo e facultar-lhe todas as graças e júbilos críveis.
Transversalmente à sua distinta meditação agrega-se com a Capacidade Universal presente no seu interior. Quando você credencia, você consegue.
Reprograma seu intelecto, invariavelmente, com bitolas intelectuais de êxito, de congruência e de bem-estar.
Aperfeiçoa a sua inerente imagem, suprimindo sensibilidades de tristeza. Platão dizia que “os grandes nos parecem muito grandes porque os observamos sempre de joelhos”.
Seus vocábulos possuem uma aptidão infinda, tudo aquilo que você discursa se converte em realidade absoluta.
Após a faxineira deixar o meu casebre, deitei-me na cama, cruzei as pernas e lá fui realizar uma pensância. Dentre todas as coisas pensantes, uma entrou na galeria em primeiro lugar: como homem não me sinto já prestes a completar sessenta anos. Casei, descasei, casei de novo, des-casei-me. Tornar-me-ei a casar? A busca da convivência com o Amor está sempre presente na vida. Contudo, em termos de experiências, vivência com as letras, já ultrapassei os sessenta, essa é a minha vida, e nessa não há a morte, eterno de infinito a infinito.
Amigos e amigas estão sempre inquietos, à busca. Não vivo os meus sessenta anos, estou sempre à busca de outros horizontes, uni-versos, embora o amor me habite hoje, diante das verdades de seu in-audito, sinto-me feliz, muito feliz, meu "eu" pro-jectado aos infinitos de toda as eternidades do ser e da felicidade: sem sonhos não há esperanças, sem esperanças os sonhos nada são senão fuga da realidade. Se pudesse virar aos avessos tudo que já senti, vivenciei, vivi, mas a questão é criar, re-criar.
Assim, aquilo de a Verdade Absoluta... já estou léguas de distância, é perda de tempo enchafurdar-me e na busca des-enfreada sentir-me tranquilo. É muito mais interessante e traz seus valores e virtudes o encontro de verdades, com elas viver outras dimensões, ir buscando outras, no final a mochila nas costas é enorme, re-colhi e a-colhi muitas coisas, desde que me entreguei ao sonho do verbo "LETRAS-DE-SER", vivo-as como bem me apraz, a dignidade e a honra, utensílios da jornada, autenticidade que foi sendo construída ao longo das estradas. A responsabilidade de um homem de letras é imensurável, cumpri-la, se com amor e carinho, é correspondido, maravilhoso, esplendido, o artista que não se doar aos homens nada adquirirá, nem experiências e vivências.


(**RIO DE JANEIRO**, 04 DE JUNHO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário