Total de visualizações de página

segunda-feira, 26 de junho de 2017

**AFORISMO DOS CANTOS ORFEÔNICOS DA SOLIDÃO/AO POETA CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE** - GRAÇA FONTIS: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


Vagas sorrelfas de idílios compactos à luz da neblina que cobre a superfície do abismo, que envela montanhas, chapadões, vales, qualquer fantasia de pensar e sentir a sua proximidade esvaecida por algum tempo e qualquer pensamento sobre o que além de onde a neblina pode ter pés estão, desde antemãos, as revezes são invisíveis, vagos idílios de sorrelfas ads-tringentes às asas da águia que mudou o seu caminho, segue a sensibilidade outras quimeras do longínquo e distante, mas pousada nalguma doca esplenderá seu olhar à imensidão do mar por onde sobrevoou inúmeras vezes, sonhos e esperanças outros, perpassando longínquos e distantes, é a sua mística jornada, mas nalgum dia desaparecerá na neblina, atrás tudo se tornou lenda, mito, causos dela, a sendeira do infinito...


A minha pena não basta para pintar como devia o baile que a extraordinária gentileza dos convivas da casa improvisaram.


Interessante a coruja cantar nalguma galha de árvore pela noite e madrugada a fora, e durante o dia a águia sobrevoa os lugares da terra e do mundo, sempre adiante, adiante, e avançando segue. Sem pensamentos, sem idéias, sem ideais, perscrutando o mar e as nuvens se comungando à distância, gaivotas se alimentando à beira-mar, algumas pessoas passeiam com os cachorrinhos de estimação. A águia e a coruja, vagos devaneios vagueiam, as cores do arco-íris dissipam-se num lance de lince, o entardecer e o anoitecer se comungam, a lua e as estrelas, cantos orfeônicos da solidão, do sempre in-vestigar as trilhas percorridas, com ímpeto e coragem, sentir carências, faltas, falhas, continuar no amanhecer outros vôos entre as coisas e os objetos, entre os homens, perscrutar a longitude dos mares, desertos, con-templando a distância, meiguices, ternuras, afetos, afeições, entregas, amor, amizade, alvorecer de novo dia, se o Ser se faz continuamente, a continuidade é também o Ser, e o tempo segue tocando a sua gaita de foles, e os éritos atrás, a viola, o orfeão, haverá a curva a ser trilhada, e não mais a visão dele...


Como poderia eu, aliás modesto escrevinhador das aventuras de um caminho do campo, como poderia eu exprimir esta amálgama surpreendente de beleza, de brilho, de elegância, de alegria, de amabilidade e de júbilo?


Sonhos, idílios compactos, furtivas sorrelfas, volúveis quimeras, voláteis fantasias não sejam o menu de sobremesa após o banquete de churrasco regado a vinho, à luz dos sons dos mares. O velho e o mar, José, e agora? Remar contra a correnteza, contra as ondas, ou deixar o mar levar o barco? Na calçada, o poeta pensa, perscruta, investiga, contempla o tempo e o mar, um abraço, no peito, a lembrança, re-cordação, na moldura a imagem dos éritos caminhos percorridos de ideais, sonhos, idéias outras, sentimentos e emoções, entregas, andando a passos de bicho-preguiça, mão segurando o braço, cabeça baixa, passeando no calçadão da praia, na longa estrada de terra e buracos da Ilha de Itaoca, nas ruas de pedras gauches, numa mesa de restaurante com os amigos, os velhos e surrados causos. As risadas de quando os jornalistas tresloucados invadiram a suite só para perguntar o porquê de a coruja renascer de seu canto, num momento indevido, instante de intimidade, quinze dias numa pequena ilha até passarem as euforias, fantasiado com um belo chapéu mexicano, abas mais que largas, um ponche...
Se a coruja nasce de seu canto, não poderia responder, grande mistério e enigma, mas que o canto da coruja inspira o re-nascer, disto não haja duvidar.




As palavras reperticuram solenes e calientes. Estava apenas brincando com os vernáculos.


(**RIO DE JANEIRO**, 26 DE JUNHO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário