Total de visualizações de página

domingo, 18 de junho de 2017

#A SELVAGEM SABEDORIA PRENHA-SE EM SOLITÁRIOS MONTES# - GRAÇA FONTIS: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


Ontem, a liberdade eram cinzas ads-tringentes e tringentes ao nada dos ossos... Os vazios engoliram do uni-verso a estesia do in-finito, a alvissareira alegria do eterno ad-jacente e jacente ás nonadas da travessia da angústia à esperança do horizonte-[além]-vida...
As vicissitudes do in-sensível tragaram da long-itude do encontro a fumaça duradoura do sonho de felicidade, vivenc-itude e itudes do pleno e sublime...
A solidão re-colheu dos mistérios da alma as fantasias inconscientes do amor que peren-iza a inspiração do verbo-luz que esplende ao longo do silvestre dos pampas as miríades da imagem do verso-espírito...
Os medos do desconhecido mergulharam nos abismos e cavernas da morte, abrindo-lhes as frinchas e frestas para o destino-[do]-além, firmamento emurchecido dos sonhos...
O etéreo bebeu na taça de cristal do tempo os sentimentos cristalinos do vir-a-ser, gozando o prazer do nada...
Hoje, nada em mim de ser, nada em mim de não-ser, auras vernais esplendem vitrais vitrescendo virentes vidas, áureos trigais vibram, libram vorazes luzes!


A selvagem sabedoria prenha-se em solitários montes!


(**RIO DE JANEIRO**,18 DE JUNHO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário