Postagens

#AFORISMO 586/HÁ CONSOLO NO ESPÍRITO BRANCO DA ETERNIDADE, O AMOR# - GRAÇA FONTIS: PINTURA(TÍTULO: #INTERSTÍCIOS DO VOLÚVEL#//ARTE ILUSTRATIVA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO

Imagem
Entreabre-se, em silêncio, a singularidade, do clima frio, às vezes, médio, mostrando a carne do rosto; a fisionomia é algo de uma ternura e amor sérios e sinceros. As infernidades escorçam-se na eternidade Límpida, nítida, transparente A eternidade Desliza-se nas linhas da contingência, finge, atua, re-presenta, falseia, ilude, aliena Arrasta-se nas brumas e solidões do outro Brancas, claras, translúcidas As atitudes são os meus passos... A solidão de quem sou. Vertigem!...
Espécie de mergulho nos recônditos dos desejos; Aguça-me os sentidos inteiros. A urgência de metamorfoses assiste, orgulhosa e inquieta, A presença do carinho a suceder no coração, Não ser mais faminto, tantas carências e ausências, Acrescente-se mais esta sombra, dentre tantas, Mas, hoje, sensivelmente completo...
A bruma de prata flutuando pela manhã, Sobre os prados inda sonolentos,

#ASES DA CRÍTICA VELAM E DES-VELAM A OBRA POÉTICA-FILOSÓFICA **ASES VELAM O PÔQUER** SOB A LUZ DA CONSCIÊNCIA-ESTÉTICA-ÉTICA# GRAÇA FONTIS: PINTURA/ARTE ILUSTRATIVA Manoel Ferreira Neto: MINI-ENSAIO

Imagem
A intenção sine qua non, ao convidar as críticas literárias de minha obra, Graça Fontis, Ana Júlia Machado, Sonia Gonçalves, Maria Isabel Cunha, para um jogo de pôquer crítico, era quem mais se aproximava do EIDOS do Aforismo 580 /**ASES VELAM O PÔQUER**/, sem qualquer objetivo ou projecto de apresentar dentre as quatro quem mais se aproximou dele, assim superiorizando-a.
Complexo sim apontar, indicar a crítica que mais aprofunda na sua análise, interpretação, como diz a poetisa Maria Isabel Cunha "Um dos ases fá-lo através da dialética, do intelecto, na busca contante do espírito e da alma, outro faz a pesquisa no silêncio e na dor, outro procura nos seus sentimentos inauditos, inexplicáveis, outro procura-o em horizontes e universos longínquos." Todo ponto de vista é visto de um ponto, cada crítica é fundamentada através de perspectiva, ângulo diferente, isto é, Ana Júlia Machado à luz da dialéctica, do intelecto à busca do espírito e da alma da obra, Maria Isabel Cunha à …