Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2018

SONIA GONÇALVES ESCRITORA POETISA E CRÍTICA LITERÁRIA COMENTA O AFORISMO 804 /**O VELHO E O MAR**/

Imagem
Parabéns por mais esse, parabéns à Graça pela arte maravilhosa, e as demais críticas se assim o desejam, mas eu já lhe disse não sou crítica manu, apenas na sua visão amigável nada mais.Agradeço mesmo assim sempre.Grata pelo carinho e parabéns a todos!Bjos Linda tarde.

Sonia Gonçalves

E uma crítica diferente: sintetiza o seu jeitinho de ser sensível e a visão intelectual da obra. Esta síntese eu já não consigo como crítico, ser sensível-objetivo, sou subjetivo-objetivo. Cada crítico tem a sua caraterística sine qua non, esta é a sua característica. O tempo vai elaborando e burilando mais e mais. Abraços nossos.

Manoel Ferreira Neto

AFORISMO 804/

O VELHO E O MAR** GRAÇA FONTIS: PINTURA/ARTE ILUSTRATIVA Manoel Ferreira Neto

A todas as minhas críticas, Graça Fontis, Ana Júlia Machado, Sonia Gonçalves, Maria Isabel Cunha, este Aforismo dedico em nome de minhas re-leituras de suas críticas da minha obra, neste PROJETO #INTERCÂMBIO CULTURAL E INTELECTUAL#, a publicação de suas críticas de outros tem…

ANA JÚLIA MACHADO ESCRITORA POETISA E CRÍTICA LITERÁRIA POETIZA O AFORISMO 804 /**O VELHO E O MAR**/

Imagem
Só…não Ao entardecer, Oculto-me como o astro-rei, Arriscando eclipsar meus fracassos, Meu isolamento, meu desalento; Diligenciando escorraçar as feridas que jornadeiam nos meus andamentos, Os sofrimentos, as nostalgias, Os idosos amplexos, As reminiscências que deambulam, Espíritos sumidos dos meus desabrigos.

Ao entardecer, para não estar só espero os astros como quem aguarda a derradeira oportunidade de ser ditosa.

As aves encapotam-se ao escurecer

#AFORISMO 803/ O SUDÁRIO E O AMOR# - GRAÇA FONTIS: PINTURA/ARTE ILUSTRATIVA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO

Imagem
Sudário de prospectivas cobrindo puras ausências, no rosto o que é chama subtil de achas crepitando no fogão a lenha, o mais é inclinação de meros enganos, indeciso traço que se ensombra e vai voar suavíssima no sono, ópera wagneriana, Vênus recostada num divã, sereias reclinadas e ninfas dançando, sob uma luz rósea.

Pescar o Amor Verseja o verso de versejar o sublime Amor Trans-literaliza a trans-literação de trans-literalizar O eterno da magia mística do ser. Amor Poematiza a poematização de poematizar A linguística da entrega e a semântica da esperança Amor Metaforiza a metáfora de metaforizar O espírito do desejo seduzindo a alma do verbo de ser Plen-itude, compl-etude, etern-itude Amor Silencia o silêncio de silenciar A palavra-poesia no vernáculo íntimo da verdade. Amor Sin-estesia a ex-tase das volúpias do eros e do lúdico