Total de visualizações de página

quarta-feira, 14 de junho de 2017

#CAMPO DE GERÂNIOS LÍVIDOS# - GRAÇA FONTIS: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


Degraus do infinito.
O tempo que desejo são ramos e folhas verdes, viçosos, sem distância, sem long-itude numa estrada cristalina, numa trilha de solo íngreme, rachado pelos raios de sol, senão quando é mister atravessar os campos. Liberdade é uma esperança traçada no peito de uma coruja e seu eterno canto na madrugada à luz da eternidade projetada de imagens límpidas de perspectivas. E fazê-la cantar é recriar silêncios e outros silêncios conceber, gerar, dar a luz a in-audictos, inter-dictos.
Águas límpidas na íris - minha prosa é a alma ardendo nas chamas do desejo da verdade, entrelaçado à face oculta da palavra sendo universo de cores, tonalidades, formas colossais, na face oculta dos símbolos e signos a luz da liberdade habita silêncios e cumplicidades, solidão e correspondências.
Sorrio à esguelha, mergulho profundo nos recônditos do além, rasgo solene as páginas pretéritas das ilusões, fantasias, peregrino no campo de gerânios lívidos, acompanhado das cintilâncias do perpétuo, a leste de minha visão a caliência da liberdade que me perpassa a sensibilidade da vida, o sensível transcendente do espírito, o cognoscível contingente da alma...
Por que não me sentir sozinho nesta jornada, se o eu de mim recria as sorrelfas do pleno, se o mim do sou poetiza a prosa da contingência nos passos, passos a passos, vazios de alamedas que perscrutam o pretérito presente do infinitivo, degraus do verbo auspiciando a esperança-vazio da sublim-itude metafísica do tempo que entre-laça almas gêmeas, que as inscreve nas pontas das estrelas, e o ponto-instante revelando os cinco taos do sou-ser de meus sertões de veredas e sonhos, vida seca no útero do ad-vir, porvir, vir-a-ser da magia?


Amanhã serei quem sou, a vida que as letras me reservaram, a liberdade que o tempo consumou na minha alma.


(**RIO DE JANEIRO**, 14 DE JUNHO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário