Total de visualizações de página

domingo, 11 de junho de 2017

#POETISA E ESCRITORA ANA JÚLIA MACHADO COMENTA O AFORISMO /**FILOSOFIA DO VERBO DE SONHOS**/#


Neste texto belíssimo, o amigo e escritor Manoel Ferreira Neto, dá asas à sua imaginação...sonha com uma choupana, com o inverno e volúpia...indo contra os dez mandamentos da heresia e muito bem... que é isso dos dez mandamentos? De a essência da cristandade expõe o que ele entende por espírito do homem, ou o que seria um homem completo. Essa natureza está ponderada em três energias, energia do espírito (raciocínio) que é a luminosidade da erudição, a pujança do desejo que é a força do cunho e a energia do coração que é a querença
É por não entender a sua natureza que surge essa dissonância ou fraccionamento do homem com deus. Feuerbach comprova que esta dissonância fundamental entre deus e o homem, que a doutrina atesta, é, na verdade, a antítese entre o homem e sua própria natureza. Ou seja, deus não passa de ser o mesmo facto que o ideia ou a natureza humana não entendida por ele. Nisto, está a centralidade e a solução da mente de Feuerbach, para abjurar deus enquanto ser infindo: “o ser perfeito, o Deus do sujeito é a sua inerente natureza. Deus é a natureza do indivíduo obscuro.
Diria que neste texto o escritor Manoel Ferreira Neto deseja a aprovação, à idealidade! aprovação, ao devaneio! Aprovação, ao delírio! Sem as quimeras, sem as ilusões, sem as fantasias, a existência não tem sentido e não presenteia proveito. A quimera é o inicio de todo desenvolvimento. Sem as quimeras de antigamente, os homens habitariam ainda deploráveis e desnudos nas grutas. Foram os utopistas que delinearam a fileira da cidade, da choupana... Das quimeras generosas, emanam as existências salutares... .
Eleja-se incessantemente a alienação dos encarniçamentos à erudição da insensibilidade
Erudição não é absolutamente ninharia, arquitectar é totalidade. ....É apenas uma pequena análise....falta comparar este texto com o anterior....A nossa artista plástica, Graça Fontis, tem que dar asas à imaginação para terminar a cabana... até porque vai necessitar de muitos retoques....o inverno leva a alguns estragos... sim, porque o aconchego estraga as paredes.... camas... enfim....


Ana Júlia Machado


#FILOSOFIA DO VERBO DE SONHOS#
GRAÇA FONTIS: PINTURA
Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


A cena é de uma fazenda situada num vale, a treze quilômetros de qualquer cidade, seja ela agradável de se viver, seja como a maioria, um inferninho com todas as suas letras. Não é um vale muito grande, apenas três quilômetros de extensão e dois quartos de quilômetro de largura. Sua principal característica é que todas as famílias ali residentes formam uma comunidade familiar, dessas que todos conhecemos e são mais ou menos interessantes. As montanhas são montanhas reais, com aproximadamente dois a três mil pés de altura, e a choupana é uma verdadeira choupana, não (como a de um autor de imaginação fértil, que deseja ilustrá-la, ornamentá-la de poesia-pensante, respirando fundo e escutando o velho e orgulhoso som do seu coração. Eu sou, eu sou, eu sou) uma choupana com garagem para dois carros de passeio.


Deixemos que ela seja uma choupana azul, re-coberta de trepadeiras floridas, assim escolhidas por ter uma sucessão de flores em suas paredes, que se incrustam pelas janelas durante todos os meses da primavera, verão e outono – começando pelas rosas de maio e terminando com jasmins de setembro. Façamos, contudo, que não seja primavera, nem verão e nem outono – mas inverno, e do mais severo e radical. Esse é um dos principais pontos na ciência da paz e da tranquilidade, na filosofia do verbo de sonhos da volúpia e da liberdade. E fico sobremaneira surpreso – atrás da surpresa não há senão a surpresa a surpreender-se a si própria – ao ver as pessoas não se aperceberem disso e considerarem motivo de exaltação e júbilo, de alegria e excitação, de contentamento e exultação, quando o inverno se vai, ou, quando estiver se aproximando, esperar que não seja tão severo, apenas um friozinho agradável para despertar um sono mais tranquilo, eivado de a-nunciações de verdades outras que ampliam a visão onírica do sonho, a alimentação mais saudável e gostosa. Eu, ao revés disso, peço todos os anos que caia geada, tempestades que os céus possam nos oferecer. Certamente, todos conhecem o inusitado prazer e satisfação de uma lareira no inverno, velas às cinco horas da tarde, acompanhadas de um chá com pães de queijo, quentes tapetes, uma bela mão para servi-lo, janelas fechadas, as cortinas caindo em amplos drapeados sobre o chão, enquanto o vento e a chuva estão enfurecidos lá fora...


A vida passada misturou-se-me com a futura – há uma conversa múltipla e ambígua, e qualquer coisa indivisível que a atravessa em zigue-zague e é a minha voz. E houve no meio do salão de fumo, na choupana, um ruído, onde, aos meus ouvidos, acabara a partida de paciência (e, de repente, a vida fica muito mais extensa, tão extensa que tudo atrás fica lendário. Lendário?! É um termo estúpido).


Todos estes detalhes são de uma noite de inverno, numa choupana, numa fazenda situada no vale, que deve ser familiar a todos quantos nasceram em regiões altas. É evidente que muitas destas ternuras, delicadezas, como os sorvetes tomados por uma criança, pedem uma temperatura muito baixa para serem produzidas: existem frutas que não podem amadurecer sem uma tempestade. Até me dou muito bem com a chuva, desde que chova a cântaros, pois alguma parte de minha natureza faz com que eu tenha necessidade disso, do contrário sinto-me enfastiado, uma ojeriza sem qualquer medida e peso, sinto-me enganado, tripudiado: já que serei obrigado a gastar dinheiro no inverno, com carvão, velas e muitos outros artigos que faltam até mesmo a um cavalheiro, quero pelo menos que seja um bom inverno. Quero um inverno londrino para os meus bolsos, ou um russo, um carioca, onde cada homem divide com o vento norte a propriedade de suas orelhas. Em verdade, sou tão epicureu nessa questão que não consigo saborear plenamente uma noite de inverno se já passou há muito a noite de São João – a noite de São João é a mais longa do ano – e o tempo começa a degenerar a caminho das aparências da primavera. Não, o inverno deveria estar separado, por densas paredes de noites escuras, de toda luz e brilho do sol. Das últimas semanas de setembro, precisamente a semana de 25 em diante, até o dia de Natal, assim é a estação da alegria e da satisfação. Pois o chá, seja em que estação for, apesar de ridicularizado por aqueles cuja sensibilidade é naturalmente grosseira, ou se tornaram assim por beberem vinho e não serem sensíveis a um estimulante tão refinado, será sempre a bebida do intelectual.


Não há qualquer necessidade de sentir-me confuso, perder a cabeça, sentir-me solitário, aliás, sou homem feliz por esquecer as horas todas. Acalmo-me, bebo um copo d´água, bebo-o lentamente, aprendo a respirar, a dominar as emoções, a alumbrar as dimensões dos sentimentos. Sento-me por um segundo, olho, ao redor, a serra das águias através da janela, expulso a nostalgia, que já não tem direito algum de persistir, desfio as palavras, uma a uma, semeio música entre elas. Com a terra à sola dos pés, eu, o rebelde que se recusa a ser reduzido à condição de alienado, resolvo os problemas cotidianos e, depois de tudo, contemplo, do alto, as serras, que conheço desde o chão até os menores detalhes. Sento-me perto das estrelas e estendo os braços como se pudesse tocá-las. Miro o céu, de um lado ao outro, de uma nuvem à outra, com o olhar repleto de luz, o corpo relaxado, a cabeça leve. Salmodio preces que na verdade são pedidos precisos, destinados a facilitar o acerto de uma desavença ou a dispensar um pouco mais de felicidade ou riqueza a algum homem necessitado. Aqui, ignoro a própria santidade que não evangeliza, sim proscreve com os dez mandamentos da heresia. Minha felicidade é tão simples. Não sofro muito com minha condição.


Posso imaginar uma choupana com janelas abertas para um campo a perder de vista, um jardim florido, para um horizonte acolhedor, para casas onde a felicidade seja constante, ou pelo menos haja a serenidade dos que sentem orgulho de si mesmos, os que se ocupam em perseverar no melhor de si.


Paro de sonhar acordado. Jogo as palavras nas dobras de meu diário e depois fecho. O papel fica impregnado do cheiro de incenso. Morte ao cheiro de incenso, que queimo tanto nas festividades quanto nos funerais. A morte finge enviar-me para bem longe dentro de mim mesmo, mas, se me faço vislumbrar novamente os dias iluminados da vida, é para melhor poder cobrir-me de terra e trevas.


Mas agora, para afastar-me das descrições longas demais, apresentarei um pintor e lhe darei instruções para que acabe o quadro que comecei a pintar. Os pintores não gostam de choupanas azuis, a não ser que estejam sobremaneira gastas pelo passar do tempo; mas, como o leitor já sabe que estamos numa noite de inverno, os serviços do pintor serão necessários para o interior da choupana.


(**RIO DE JANEIRO**, 11 DE JUNHO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário