Total de visualizações de página

sexta-feira, 16 de junho de 2017

#O SOL É A TENSÃO MÍSTICA DO SILÊNCIO, MÍTICA DA SOLIDÃO# - GRAÇA FONTIS: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


"Não tenho fome nem sede: sou!"


Os cristais tilintam e faíscam. O trigo está maduro: o pão é repartido. Mas repartido com doçura? Sempre cri que harmonizar-me, relacionar-me, é entregar-me com carinho e desejos de encontro e conquista, o coração pleno de amores e verbos, isto é eivar os verbos de espírito e “humusizar” o espírito da carne. É re-partir isso com os homens. É importante isto saber. Não penso assim como o diamante que risca o éter não pensa. Brilho todo límpido. Não tenho fome nem sede: sou. Tenho dois olhos que estão abertos. Para o nada. Para as paredes. Para o teto. Para as estrelas que velam, solícitas e solidárias, o ossuário da terra. Para algum lugar atrás das constelações, onde encontrar a seiva das inspirações.
Quero um manto tecido com fios de ouro solar. O sol é a tensão mística do silêncio, mítica da solidão. Nas minhas viagens aos mistérios, dúvidas, incertezas, ao inaudito, inolvidável, ouço as vozes carnívoras, os sonhos verbais, que lamentam tempos imemoriais: e tenho pesadelos indecentes, indecorosos, imorais sob ventos doentios, que oscilam, tremem e tremelicam, sacolejam e estrebucham, que elevam as folhas e pétalas secas, fazem-nas pairar no vazio, que fazem cair o verde, o viscoso, a vida delas, ao longo do deserto seco. Sinto-me encantado, seduzido, arrebatado por vozes furtivas, efêmeras, na realidade passageiras, o eufemismo não está sendo chamado à vida, a verdade sonha o espiritual. As letras quase ininteligíveis, caracteres góticos, os sentidos quase indescritíveis, as significações – por que não digo os significantes também?, não o sei, como não digo as mesóclises de inter-ditos, ser-me-ia não plausível dizer, não criaria a curiosidade de sabê-lo, saboreá-lo – falam de como conceber, inspirar e escrever sobre o elixir como se alimentasse as luzes de outras querências. Atrás do ser – mais atrás ainda – está o teto que trans-cendia através das idéias, pensamentos e sensações, e aí conquistei o desejo, entregou-se ele a mim, que eu olhava com olhos de lince, com intenções de serpente maligna, de cobra ferina. De repente, verto algumas lágrimas. Aprofundei-me em mim e encontrei que eu quero a vida, e o sentido oculto, resultado e conseqüência de minhas ausências e limites de escrever a vida, tem uma intensidade que tem luz. É a luz secreta ou as trevas de passado remoto, meu rito é purificador de imagens e de espírito, de forças sensíveis e transcendentes.
Estou tão amplo, tão pleno. Sou coerente: meu cântico de vida e verbos é profundo. Há melodia de amor e eu nada posso senão nascer, descobrir o que é nascer e estar dis-ponível para a Vida em todas as suas dimensões. Tudo atrás do ser, tudo atrás do pensamento e idéias, tudo atrás das intuições, percepções, inspirações.


Se tudo isso existe, então, eu sou, sou-me.


(**RIO DE JANEIRO**, 16 DE JUNHO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário