Total de visualizações de página

domingo, 18 de junho de 2017

#PINTORA E POETISA GRAÇA FONTIS COMENTA O AFORISMO /#FORNICA-SE LÁ ONDE NO TESÃO DAS PENADAS ALMAS NÃO LHES RESIDE QUALQUER CENSURA#/#


E viva... vida à liberdade das palavras no subconsciente. .. consciente onde o espírito eloquente na sua elucubracão expande-se numa viagem ininterrupta de gozos e prazeres proporcionando a germinação inusitada... inaudita verbalização... carne;... isso é fantástico! PARABÉNS ESCRITOR!!


Graça Fontis


Eis a questão! Faço meu o seu cumprimento pela excelência do comentário: "PARABÉNS". É responsabilidade, compromisso, obrigação do escritor tornar as palavras "Verbo", o caminho para a realização é desbravar a inconsciência.


Manoel Ferreira Neto.


#FORNICA-SE LÁ ONDE NO TESÃO DAS PENADAS ALMAS NÃO LHES RESIDE QUALQUER CENSURA#
GRAÇA FONTIS: PINTURA
Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


Além dos limites, fronteiras da con-tingência, periferia dos instantes-limites, ab-surdos, abertos horizontes e uni-versos da trans-cendência, palavras fornicam-se livres, que maravilha fornicar livres, fantásticos prazeres e gozos!, busca inexpressível e ininteligível de dizerem o que lhes habita a carne do desejo dos significantes, semiologias, semânticas, linguísticas, metáforas, sentidos, assim re-velando a libido vernácula do verbo.
Antes fora o vernáculo "fornicar": espremi os miolos para me lembrar dele, angustiei-me, desesperei-me, não me fora possível a lembrança naquele instante-limite de necessidade dele. Veio-me à mente "fenecar", utilizando-me dele, embora duvidando dele, não era o de que precisava, serviu-me de algum modo. Só mais tarde, nem pensando nisso mais, surgiu-me. Existiu um outro naquele mesmo momento, larguei-o de lado, surgiria noutra ocasião. Nada. Encontra-se enclausurado no limite da contingência, travessia para a trans-cendência, ardendo de desejo de fornicar, mas não encontra a companheira, o objeto do tesão que lhe realizará o desejo do prazer, do gozo, do clímax. Quem sabe se me lembrar dele, liberte-o e saindo do limite da contingência encontre a companheira, fornique com mais tesão ainda?! Quem sabe sabendo estar enclausurada, faça-me lembrar dela, assim realizando as suas volúpias do prazer? Nada disso acontece.
Redijo rastos de mim na biografia de minhas reminiscências, originando linhas de impressionabilidade, sublimidade, almejando na memoração assinalar, o inenarrável contemplar, feito de quimera, de prenunciadoras reflexões e paixões, nas fendas primitivas das espacejas frescas que sobrepujam o Eterno alabastrino das sensações resplandecentes de dilecção e eloquências da subsistência.
O termo "fornicar", cujo sentido é a relação íntima, usa-se para o inferno, fornica-se lá onde o tesão das penadas almas não lhe reside qualquer qualquer censura, o clímax transcende o divino e o eterno, e perpétuo. "Vá fornicar no inferno" tem o sentido de gozar o prazer da alma penada, na terra-mãe era realizar os instintos, no inferno, o clímax das chamas eternas.
Forniquei palavras, joguei-as nas imundícies contingentes do inferno, no safo dos caldeirões had-jacentes ao perpétuo, mergulhei-as nas chamas ardentes além das metafísicas carnívoras da ausência e manque-d´être, das falhas, faltas das forclusions dos pecados inominais do verbo, à busca de expressar o sentimento, emoção que sentem, quando os caminhos que só elas sabem, conhecem, não se re-velam somente no inter-dito, com ironia, sarcasmo, cinismo sui generis re-velam-se na fornicação aberta e livre no hades da liberdade, quando os instintos da carne se decompuseram no silêncio do sepulcro, re-nasceram na pena das almas hereges, das almas condenadas a postumarem, epitafiarem: "Nas had-jacências do perpétuo, habita o clímax ab-soluto do litteris, ipsiando as ipseidades dos ócios após o sêmen ejaculado livre e espontâneo às cinco pontas das estrelas...", epígrafe que somente Brás Cubas entende após as suas memórias póstumas, tendo os vermes comido seus restos mortais e contingentes, descansando em paz na harmonia sin-tônica, sin-crética e sin-crônica do que trans-cende as imanências do Hades. Quem sabe a suprassunção, o suprassumir as quatro paredes do inferno sejam realizados com a postumidade linguística, semântica das metáforas verbais do verbo carne, estar-no-mundo, fornicando no que foi perdido após o grande evento do verbo-espírito re-criar-se carne-verbo dos desejos, esperanças, sonhos, deixando às palavras, vernáculos o livre-arbítrio de mudar o destino de a vida serem dores, na morte é que a felicidade, além do perpétuo, eterno, pereniza-se, plen-ifica-se.
Desde a eternidade à eternidade, as palavras a-nunciadas e re-veladas, no espírito por inter-médio dos verbos-sonhos, vers-ificadas, vers-ejantes, vers-entendidas no limiar, soleira, solstícios, tornadas vividas, vivenciadas, até mesmo experimentadas, o ipsis re-cria-se litteris, o inter-dito refaz-se dito, morte e vida não mais existem, jamais existiram à luz da terra-mãe carne e ossos à luz da esperança do para ser na continuidade do haver-sendo, liberdade, ainda que tardia, autenticidade além de todos obstáculos, censuras!


Verdade além de todos os juízos, o ser nas trilhas, sendas e veredas do sublime e simples.


(**RIO DE JANEIRO**, 17 DE JUNHO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário