Total de visualizações de página

sexta-feira, 2 de junho de 2017

"EIS AQUI O VERNIZ PLÁSTICO DOS ELEMENTOS" - Graça Fontis: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


Nesta tarde de sexta-feira, tarde de cerração, sonhei com a minha companheira das Artes, chegando à beira da piscina, onde me encontrava, dizendo-me: "Eis aqui o verniz plástico dos elementos", e era uma escultura de candelabro. Raios de sol incidiram no candelabro, luz forte ofuscando-me, acordei.


Ímpios, só vocês podem com-preender e entender certas palavras e atitudes, por isto lhes digo que, nalgum lugar deixei inscrito no tronco de uma árvore, “Eis aqui o verniz plástico dos elementos...”
Abri a porta da carruagem, disse ao amigo-boleeiro que deixasse os cavalos andarem à vontade, cuidando apenas que seguissem a estrada, pedi-lhe que os deixasse trotear à vontade. Não têm vocês o senso de olhar as atitudes de soslaio, olham-na de frente, sem máscaras, sem interesses, vocês conhecem o segredo mais íntimo da atitude, o que ela apresenta e representa, vocês são gênios, deuses nunca d´antes ec-sistido, embora envoltos na escuridão, ironicamente tem o rosto caiado de branco, faces com farinha e seus risos e graças são auroras para todos, vocês inalam o odor da Verdade, mas o que, enfim, não lhes deixa libertarem-se das picuinhas e achaques, entregando-se à Verdade tal qual ela se entregou a vocês? Não conhecem as perfídias, pérfidas esperanças não deixam os olhos brilhando, iluminando os interesses e intenções os mais escusos possíveis. "Essa guerra vai acabar. Fim de bosques, rios, fim de florestas, lagoas, fim de cavernas. Fim de amantes e companheiros... fim de camaradas e amigos..." Apocalipse agora.
Peço ao amigo-boleeiro que pare à soleira da choupana. Necessito de tomar uma água, lavar o rosto, pentear-me. Se possível comer algo, se houver algo a ser comido, a esta hora, olhando no relógio de bolso, herança que deixara a minha mãe, numa corrente de ouro, nove e meia da noite.
Há uma espécie de candelabro, .grande castiçal com ramificações, a cada uma das quais corresponde um foco de luz, suspenso na madeira do teto, uma luz amena, uma choupana simples, não destas que anunciam à distância a sua existência com reflexos de luzes insinuantes e insinuosas, mas com piscina, choupana particular, onde residem casal de escultores, a mulher esculpira o candelabro, o homem é também criador de ovelhas, vietnamita panorama. À soleira de entrada da choupana, um indivíduo de barba muito bem escanhoada, confiando o bigode, enquanto tamborila alguma canção no balcão. Sento-me. Coloco o chapéu e a bengala num banco. Peço um copo d´água acompanhado de um vinho, a melhor da região. Pergunto-lhe, e nesse instante faz um chiado com a ponta da língua próxima dos dentes, se há algo para comer. Diz-me que tem arroz com linguiça de porco, todos apreciam, o que lhe confere a sobrevivência, tem algumas economias no banco da cidade, com isto da linguiça de porco.
A profusão de cores do amanhecer pertence a um espectro que, ao se mover com o avanço do dia, e da guerra que segue o seu processo, produz a síntese de todos os demais tons, tonalidades: o branco de dia e a intemporalidade cromática.
Noite no vento, aquando lhes dirijo tais palavras, noite nas águas, noite nas pedras, noite no amigo, noite na roça, noite em todos os lugares dentro e fora dos homens, alfim é "perfeitamente noite". O tempo claro contra o tempo escuro, ou noutras palavras: o tempo (escuro) contra o instante (claro), a consciência (luz) contra a realidade (treva), alfim revérberos do espectro da vida e morte acopladas no mesmo transporte.
Numa estação ou noutra conservo a perspicácia e destreza em armazenar as sensações mais evidentes e límpidas dos sonhos mais simples e suaves que me indicam o próximo passo a ser dado no que concerne a sentir-me realizado e aberto para todos os outros idílios que com certeza se revelam e manifestam sedentos de contemplação, uma possibilidade de conhecimento e de vivência.
E, no sonho, oh, ímpios, a mulher chegou com uma escultura de candelabro de vários braços, que se inspirara na Esfinge, quando o marido estava à beira da piscina, chegou com a escultura, dizendo-lhe: "Eis aqui o verniz plástico dos elementos". Raios de sol incidiram em cada braço do candelabro, raios fortes ofuscando-lhe os olhos, e ele acordou. Sonho numa tarde de sexta-feira, cerração.
Sinto-me, às vezes, repleto de um sentimento de com a vontade descobrir os aspectos possivelmente amáveis e serenos da vida, isto para encantar ao mundo ao meu redor, e a mim mesmo quem necessita e muito de mergulhar no espírito, encontrar a Vida plena de imagens e estas imagens serem transformadas em possibilidades de encontro, de experiência, isto o que é para mim a transcendência do “sentido da vida”, que construo através das contingências das dores e sofrimentos e das situações e circunstâncias do quotidiano.
Quem sabe a vida seja isto mesmo, imagens dentro de outras imagens. O sucesso delas, serem apreciadas, serem sementes de conquistas futuras, de algo que súbito despertou a sede, e tudo o mais são buscas de a saciar com a água, por mais que o acaso os teça e devolva, saem iguais no tempo, quem sabe ao in-verso de invernos que me habitam, e nas circunstâncias, nos invernos de in-versas ilusões; assim a história, assim o resto.


Os ímpios, vocês, que não aprenderam a dissimular a vida, a não acreditarem que o aliás dos idílios compactos só se faz revelar na aceitação e vivência da vida, até mesmo na maior impiedade.


(**RIO DE JANEIRO**, 02 DE JUNHO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário