Total de visualizações de página

segunda-feira, 17 de julho de 2017

#TESTEMUNHO DE UMA VIDA/INÍCIO DA TERCEIRA IDADE# - GRAÇA FONTIS: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: TESTEMUNHO



Epígrafe:

Confianças dos "verbos-para" o suceder de diferentes saberes da querença que somente habita de demandas incorpóreas e oferta quando a existência é "janela de deleites..." (Ana Júlia Machado)
Ao longo da História da Filosofia e da Literatura, filósofos e escritores buscaram definir, conceituar a Liberdade. Diante das circunstâncias do tempo nas suas tangências sociais, políticas, religiosas, individuais, conceituaram-lhe com excelência e veemência, são conceitos que nos levam a outros questionamentos, indagações, perguntas, que nos proporcionam buscas mais profundas e abismáticas, serão sempre sementes e húmus para a jornada da Vida e da Existência.
No meu ponto de vista, a Liberdade do Ser é a raiz da castanheira da Vida nas suas situações, circunstâncias, no decurso e percurso da História, na continuidade do Tempo e suas dialéticas. A Liberdade do Ser é a identidade do indivíduo, a sua consciência dos problemas contingenciais, dores e sofrimentos, dúvidas e incertezas, inseguranças e medos, e a busca, esperança de suprassumir-lhes, superar-lhes com a entrega absoluta aos verbos dos desejos, vontades, sonhos da Vida. Caminho árduo e contundente, pois exige sobremaneira e sobremodo o mergulho na nossa inconsciência, assumirmos as nossas condições de limite, de gratuidades, arbitrariedades, má-fé, fugas, faltas, falhas, forclusions, nossa natureza humana plena de negatividades. Não um mergulho de passeio e deleite pela profundidade da alma, seus mistérios e enigmas, mas um mergulho com a verdade dos ideais de compl-etude, a determinação insolente e meiga de outros horizontes e uni-versos, nova prosa e nova poesia. Angustia deprime, desola quando nos deparamos com as facticidades, dói profundamente as des-cobertas que fazemos, mas é necessário transcender, sonhar com o que trans-eleva as contingências, ter esperanças no que há-de vir, ad-vir, sempre re-criando, criando, inventando outras sendas, outras veredas, outros caminhos do campo. Sermos quem somos, embora as poeiras das estradas, apesar dos limites, fronteiras, obstáculos, assumindo a nossa fragilidade, nossas fraquezas, viver de quem somos.
O olhar do olhos sempre voltados para a consciência de que não nos tornamos quem somos para o nosso deleite, prazer, gozo, climax, não nos tornamos livres para satisfazer o ego, mas para servir ao mundo, aos homens, à humanidade, despertar-lhes para a existência de outro mundo diferente do que se está vivendo. A liberdade é o nós: indivíduo e humanidade.


Vivo buscando a Liberdade, o Amor, a Consciência de quem sou, do que represento no mundo. Experiências e vivências adquiri-as ao longo destas seis décadas de existência, cinco décadas e meia de pena na mão, buscando traçar outros horizontes, fazer-me, só o Fazer responde pela vida, Fazer na continuidade do Tempo, das facticidades e das esperanças. Sinto que estou iniciando a minha escrita, agora sei o que fiz de mim, o que faço de mim, o que posso ainda viver e fazer com as letras, com a vida.
Exatamente aos 60 anos, 02 de julho de 2016, participei a minha mudança para o Rio de Janeiro, para viver junto com Graça Fontis o amor que nutria por ela, que nutrimos por nós, e a cada dia nestes trezentos e oitenta dias crescendo e crescendo e crescendo, e ao longo deste ano conheci o que é isto a alegria, satisfação, felicidade, prazer, o amor Verso-Uno, tornando-se ela também a minha Companheira das Artes, Pintura e Literatura/Filosofia. Amor que perdurará por todos os anos de vida, pela eternidade a fora.
A Liberdade é o Verbo do Ser que con-duz aos caminhos do "Nós", amada e amante, escritor e leitores-amigos, indivíduo e humanidade.



(**RIO DE JANEIRO**, 17 DE JULHO DE 2017)




Nenhum comentário:

Postar um comentário