Total de visualizações de página

segunda-feira, 10 de julho de 2017

#AFORISMO 29/SER NÃO É MOSTRAR-SE E MOSTRAR-SE NÃO É SER# - GRAÇA FONTIS: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


Inteligência, sensibilidade, lógica, percepção, visão além do imediato dado não são capazes de traçar o perfil - o que ainda é elementar, não exige esforços inconcebíveis - dos homens. Dizer há limites para tudo, nada consegue abarcar in totum as coisas, muito menos as complexidades da vida, nada explica, nada justifica. Dizer a "natureza ama re-velar-se e ocultar-se", re-vela-se para se ocultar, oculta-se para se revelar é o óbvio. Poder-se-ia elencar inúmeras perspectivas e ângulos para isto de não ser possível saber as razões da incapacidade de traçar o perfil dos homens, quanto mais se mergulha mais mistérios e enigmas se manifestam, mostram-se nitidamente.


Há quem se sinta orgulhoso, vaidoso, superior a todos os valores sensíveis, culturais, intelectuais, como se dizem na vulgaridade, "reis do gado", são insubstituíveis, são os Einsteins e Newtons, seus nomes e importâncias figurarão até a consumação dos tempos, mas, se in-vestigarmos com toda percuciência seus comportamentos e atitudes, observaremos serem egrégios obtusos, dando margem ao pensamento e às gargalhadas solenes e imperiosas: "Tanta inteligência e não são capazes de uma olhadela, ainda que de esguelha, no espelho, deparando-se com a verdadeira imagem que se lhes mostram." Eis, então, a suprema questão: "ser não é mostrar-se".


Para enfatizar, para ilustrar isto, poderia citar quem se julgava, pensava, sentia ser inteligência, sensibilidade, conhecimento além dos simples mortais, insubstituível, chegando a dizer explicitamente de suas importâncias, tendo havido situações que provaram com excelência o contrário, não fizera a menor falta, não endossara qualquer ausência. Aquilo de sempre: usara de subterfúgios, tramóias, tripúdios, joguitos ridículos e medíocres para se posicionar ainda mais, para identificar-se com mais transparência, nitidez, a inteligência e sensibilidade não lhe mostrando tais metodologias não passavam de escusas, viperinas, só mesmo para os adeptos, cúmplices e álibis possuírem sentidos e virtudes incontestes, aumentando o cordão dos puxa-sacos, elevando com supremacia a fala de Aristóteles, quando ele diz que os iguais se conhecem. As poucas importâncias que possuía desceram pela "boca-de-lobo" a fora, nada restando, voltando à primevidade dos nonsenses que era o seu valor inconteste. É insensibilidade, é chinfrin-idade centrar-se num único ponto para tecer considerações, para crochetear interpretações, análises. A inteligência e sensibilidade consistem em não se centrar, em não considerar o único ponto, mas trans-cendê-lo, ampliá-lo, deixar a carapuça servindo a todos, a origem da análise no inter-dito, só mesmo a pessoa e os doutos sabendo de quem se trata, "sabendo" é até força de expressão, tendo as suas dúvidas cartesianas seria o melhor a dizer.


Se tal pessoa tivesse o que os paulistanos chamam de "pedigree" para a percepção de que não são elas que estabelecem e juramentam suas importâncias e dignidades e sim o "outro", quando percebera com veemência não haver feito a mínima falta, ficaria em silêncio meditando e refletindo seus modos e estilos de ser, não usaria de metodologias escusas para angariar adeptos e cúmplices, não fizera falta, não escrevera na tábua da contingência sua ausência, assim manifestando a sua pura e límpida dignidade e honra. Assim são os solipsismos, os egocentrismos, numa linguagem carregada de chinfrin-itudes, os que se acham. Quando são destituídos de seus tabernáculos, precisam de adeptos, jogam com as mesmas cartas do outro, as cartas da viperinidade. Não são eles, não são o outro, são unica e exclusivamente "personas."


Seriam tais palavras - e, olhe, que tiradas do fundo do baú - descrição inconteste do caráter e personalidade deste "quem" se julgava, pensava e sentia ser insubstituível, o supra sumo do conhecimento e da inteligência, tendo sido destituído de seu olimpo? Ainda que eivado de todas as sabedorias uni-versais, tais palavras são simples e efetivamente mesquinhas para descrever tal "quem", talvez no Hades haja alguém que possa fazê-lo, alfim os iguais se conhecem.


(**RIO DE JANEIRO**, 11 DE JULHO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário