Total de visualizações de página

quarta-feira, 19 de julho de 2017

#AFORISMO 46/LINCES DE DESEJOS INAUDITOS# - GRAÇA FONTIS: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO

"A origem da alma concebe e dá a luz ao in-cognoscível e
in-audito..." (Manoel Ferreira Neto"
Epigrafe:
"Na essência, o espírito na sua in-temporalidade transeleva e
ressumbra-se rejubiloso na concretização de suas expectativas e querências literalizadas na temporalidade do aqui e agora." (Graça Fontis)
Ambíguas re-presentações, simbólicas sorrelfas do não-ser, a-nunciando ambas imagens outras, re-velando ambas re-flexos numinosos de horizontes longínquos, vestígios do tempo engolfado nos transitivos verbos da náusea e angústia, dimensões accessórias de ilusões e fantasias do eterno.
Imagens dúbias de perspectivas e ângulos, linces de desejos inauditos efemerizando na retina dos olhos perdidos nas frinchas e frestas do vácuo, girando na roda-viva das contradições e nonsenses do perpétuo, o silêncio e
solidão do ser, quiçá intencionando re-fazer, pers a pers das pectivas da perfeição, os átimos do tempo sarapalhados nos cantos e recantos, sítios, lugares do uni-verso, para re-criarem as intuições eivadas de inspirações do real, visto à luz da sublimidade da verdade, que, embora efêmera nos instantes-limites do nada, é o broto da flor que abre as pétalas no alvorecer, exalando o perfume da esperança da incólume liberdade de ser a contingência eterna de encontros e des-encontros, pretéritos-húmus do há-de vir mais-que-perfeito.
Além dos confins ornamentando os idílios re-flexivos das travessias nas pontes partidas dos mistérios e enigmas, as melancolias e nostalgias gnósticas das águas que não são as mesmas em passando de por baixo da ponte das vontades
e querências da não-dialética da nonada e perpétuo.
Miríades do nada, re-flexão que re-flete o re-flexivo, na silvestre
trilha da memória que apreende no recôndito vazio de seu "stício" o inter do verbo que trans-literaliza imagens no mover do tempo, percuciência do efêmero que alimenta a origem da alma com as migalhas, côdeas do pão metafísico e ontológico do ente que nasce póstero e póstumo na tangência da volúpias pela glória do verbo que se torna a carne, em cujas veias corre o sangue vivo e ardente do ser tao da espiritualidade, do ser Krishna do deserto de aspirações do livre-arbítrio, libertas quae sera tamen.
Pão de queijo mineiro degustado com cafezinho da hora. Quê delícia!
Ninguém pode dizer ou pensar, imaginar tampouco que o verbo da eternidade trans-cende, trans-eleva o verbo do nada que move o manque-d´être das forclusions dos pretéritos, vistos à mercê das perfeições im-perfeitas do divino ou como dizem os portugueses "divos" saudosos das melancolias intemporais.
Além dos umbrais dos mitos e rituais não dizendo nos ipsis das
contingências os litteris do paraíso celestial a luz com as suas cintilâncias e brilhos egrégios de todas as magn-itudes, mas sob o re-flexo do dizer as in-verdades da verdade que trans-cendem a razão e todas as dimensões sensíveis, mas a origem da alma concebe e dá a luz ao incognoscível e inaudito, glória às palavras, júbilos às metáforas, são sons dos poemas, são essências da poesia, são anjos de linguísticas e semânticas do EC-SISTIR...
(**RIO DE JANEIRO**, 19 DE JULHO DE 2017)

Nenhum comentário:

Postar um comentário