Total de visualizações de página

domingo, 9 de julho de 2017

#AFORISMO 22/RAÍZES DE VERBOS E VERDADES# - GRAÇA FONTIS: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


Raízes de fogo, entrelaçadas nas achas da lareira, de cujas chamas advirá o calor a perpassar-me o corpo, sensibilizar-me a alma para novos sentimentos e emoções, para quimeras e sorrelfas outras, tocando-me o ser, acariciando-me as dimensões do espírito, nascendo em mim inspiração para sobrevôos pelas florestas, mares, abismos.


Raízes de versos in-versos de re-versas intuições do belo e da beleza, sensações da beleza do belo, entremeadas de desejos do sublime soneto, cuja chave de ouro tece as linhas dos horizontes de além, a-nunciam o crepúsculo da tarde eivado de luzes do vir-a-ser da noite iluminada de estrelas e lua, re-velam o entardecer prenhe de a-nunciações do alvorecer.


Linhas do horizonte de além
Entre-cortadas de contingências de sonhos e verbos do amor
Performam o prelúdio da ópera do silêncio
Ritmos e melodias da música do tempo
Cancionando de etern-itudes da entrega e sedução
O sublime das esperanças do espírito de amar.


Raízes de dialéticas do ser e não-ser, entrecortadas de contingências de sonhos e verbos do amor, projetando em mim luzes do eterno, alvorecido e crepusculado de re-velações da verdade, trans-elevam-me às antípodas do uni-verso onde querubins performam a dança da sedução e entrega, trans-cendem-me ao longo do oceano onde sereias dedilham a harpa do tempo e do ser, cantam a canção de etern-itudes das esperanças do sublime espírito de amar.


Raízes de nonadas e travessias, inter-ditas de ideais do perfeito e do divino, entre-transliteralizadas de fantasias, utopias dos campos versejados e vers-ificados de flores a exalarem o perfume inebriante do perene, compõem-me na alma o prelúdio da ópera do silêncio a embriagar-me de êxtase e volúpias, avant-premier da sinfonia da solidão a preencher-me de ilusões e vontades do in-fin-itivo.


Línguística do sono
Seduzindo o sonho a anunciar
A memória das genesis da vida,
Verbo assediando o subjuntivo dos espaços e arribas
Bolinando o particípio dos sentimentos,
Templo-Verbo-Infinito
Estesia do Ser
Con-templando as águas
Do rio dos sentidos plenos


Raízes de ritmos e melodias da música do tempo, em sendo-em-sendo de encontros e des-encontros, amores e des-amores, paixões e contro-versas paixões elevam-me o espírito, sensibilizado de razão/vida, ao cume dos paraísos celestiais onde garbosamente deambulo, perambulo, vislumbrando suas belezas e esplendores, con-templando as águas do rio dos sentidos plenos, cantarolando o "lá-lá-rá-la" da felicidade e da paz.


Raízes de palavras, tematizadas da linguística do sono seduzindo o sonho a anunciar a memória das genesis da vida, da metáfora dos verbos assediando temas e temáticas a indicarem o presente e o subjuntivo do além de todos os horizontes e uni-versos, o gerúndio e o particípio de todos os espaços e arribas.


Raízes do inverno,
Inspirando a alma a recitar o silêncio do frio
A contemplar as flores a desabrocharem na primavera,
Exalarem o perfume do sentimentos da beleza e do belo,
Estesia do Ser e Templo-Verbo-Infinito.


Raízes de verdades, des-imaculando as visões de causas e efeitos, pecados e castigos, atitudes e consequências, tematizados de vontades do Ser nas asas e ventos do tempo, verbalizando o pensamento consciente do destino a ser criado e estabelecido, inventado e concretizado, o testemunho das buscas e cor-agens de ser livre... estar dis-posto a morrer pelos ideais.


(**RIO DE JANEIRO**, 09 DE JULHO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário