Total de visualizações de página

segunda-feira, 10 de julho de 2017

#AFORISMO 26/O SILÊNCIO, EM ÚLTIMA INSTÂNCIA, GUARDA UM SENTIDO QUANDO OS OLHOS FALAM...# - GRAÇA FONTIS: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


"A idéia de mundo é o esgarçar da fantasia, entre os caprichos de Bovary e o Medalhão de Judas, o Eucariotes." (Manoel Ferreira Neto)


A fuga da morte confere inautenticidade à existência que se desenrola em meio a um faz-de-conta, dissimulador da irrefutável possibilidade... A vertigem é silenciosa. O silêncio, em última análise, guarda um sentido quando os olhos falam... compreende a dinâmica do Ser no Velar e Des-velar, na identidade e na diferença, na unidade e na multiplicidade, no invisível e no visível, no indizível e no dito, no silêncio e no discurso. Alucina a busca – ímpetos de estrangular o que nunca emagrece, ossos decompostos estralam unhas que desviaram no regaço e na alcova.


Bem fundo em mim – à face do “Eu Sou”. Meu Deus!... À face do “Eu Sou”. Muitas águas têm de passar debaixo da ponte até isto real-izar. Apreender o processo de sou-quem-sou na elaboração do verdadeiro. Aí, sim... São as estradas percorridas em busca das águas, seguindo o rio sem margem, sem pressa. Estreito-me em toques. Conscienciado ser. Sou água seguindo em águas. Sou silêncio em busca do além de mim. Penso, logo admito.
Trilho o des-facelamento. Confusão. Perdição. Caminho para o vazio. Escravo nos pensamentos, atitudes de não... São os primeiros passos, então é a experiência, tenho de aprender as coisas na lida, passo a passo, problemas, dificuldades, medos, angústias, pequenas alegrias e prazer, a felicidade está distante. A fé de que irei encontrar as águas, sigo o rio sem margens, sem pressa. No meio do mundo, sendo-em-sendo, em ida e volta. Música, luz semimorta.


Carinhos roçagam a carne vermelha e em chamas. A palavra resvala o sentido de mim. Rasgar-me por inteiro, vomitar as entranhas, sangrar-me, destrinçar-me, tirar-me inteiro de mim, iniciar tudo, desde as origens. Palavras árduas, contundentes. Cinto batendo em mim e resultando em carne viva. Realidades multifacetadas e dispersas. Atravessar o projeto de mim no retorcer do vento. Como enfrentar-me?


Minúcias recontadas... Por ser quem sou, o que projetasse de mim, não seria quem sou. Eu, quem? Comecei disperso e ansioso, um tanto medroso, hesitante... Ah, deixa isso pra lá. Ah, se tivesse podido. Orçava a boa despesa de meus mortos. Onerava a máxima dívida. Equilíbrio. Forjava a forma do falso. Dialogo, exercitando censuras, negligencio arbitrariedades. Dissimulo solidões. A idéia de mundo é o esgarçar da fantasia, entre os caprichos de Bovary e o Medalhão de Judas, o Eucariotes.


Refletia a vivência, este Crucifixo de São Paulo:
“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como um bronze que soa, ou como um címbalo que tine”


A vida é sempre um primeiro instante, o minuto, o segundo primeiro, não a hora e o relógio que a indica, somando a outros dias e anos. As águas do rio tinham parado, assim como os pensamentos; o barco estava virando, tocando a sereia. As janelas manchadas nada deixavam ver, a não ser a luz fria da água. A máquina ficara silenciosa. Só a noite chorou consigo a sua dor, com uma esperança longínqua de chamas e silêncio.
Equilibrar a sombra com a luz, enquanto branco do cisne, da página, ou enquanto nudez, é apenas uma revelação, talvez até demasiado lúcida e óbvia em sua nitidez, de algo intrínseco e inerente ao desafio que... Como se não fosse ocorrer um dia na sombra.


Morrer é um só detalhe – pensando neste detalhe, percebe um pouco além de conseguir a caminhar. A decisão parece-lhe inconsequente, absurda, radical. Sugere-lhe o prolongamento de suas dores, angústias, tristezas.


(**RIO DE JANEIRO**, 10 DE JULHO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário