Total de visualizações de página

domingo, 21 de maio de 2017

**ILUSÕES DO SEMPITERNO ILUMINADAS DE REVÉRBERAS TRAVESSIAS* - GRAÇA FONTIS: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


Sono povoado de in-audictos, des-conhecidos, inter-dictos; sono de sensibilidades dos desejos, vontades prescriptos...
Nuanças furtivas à luz-nada de vontades fugazes da liberdade, de querências passageiras da igualdade, con-tingentes, entre-laçadas, entre-meadas em teias frágeis, delicadas, sensíveis, pers-crutam abismos onde o sem-limite, sem-fronteira, sem-bordas, sem-sítios desdenham o in–finito de silêncios, desenham as sombras res-pingadas de neblina nas costas do tempo-vazio à soleira de montanha íngreme, de vale desértico, pedras frias, vegetação rasteira, chão de poeira, de cascalho córregos estreitos, mini-rios, enquanto ao longe, na long-itude longíngua, pectivas solares ins-crevem em raios in-candescentes, em centelhas chamejantes, nas tábuas-letras pagãs o epitáfio solene, esplendoroso da solidão quimérica, epíteto de excelência do silêncio imaginário, em cuja essência reside a univers-ancolia das travessias, horizontes nostálgicos e saudosos das sensações suspensas nos cabides das tristezas, angústias, medos, dúvidas, incertezas, das pontes partidas em cujas amuradas boêmios solicitam das águas em curso, de-curso, per-curso a "Verdade da Morte" trans-figurada de esperanças voláteis no encontro perpétuo, perene, imortal do espírito livre de verbos que encarnam o ser-para-o-nada, nada-para-o-ser, re-vestido, trans-vestido, en-coberto, en-velado, o não-ser re-festelando idílios à soleira da etern-idade-sem-alma, aos solstícios da alma-sem-eternidade, a univers-ostalgia de olhares ter-giversados de imagens a seco, de pectivas-pers de verbos-do-ser, des-encarnando horizontes longínquos onde as ondas do mar, tranquilas, serenas, tocando nas docas do perpétuo, re-criam de nada-luzes a cintilância das estrelas roubadas, furtadas às dialécticas, contra-dicções do ec-sistir nas cavalitas do ser-não-ser, girando nos cataventos da alma solitária, no redemoinho dos pensamentos e idéias dispersos, ao longo das in-tempéries dis-persas, perdidas nos confins imorredouros, ilusões de arribas, trans-elevando des-finitos personalizados de lácias línguas a expressarem o mar re-verso de águas in-versas, vers-onhando o porto onde a felicidade é esquecer as horas trans-criptas no relógio cujos ponteiros anti-horários são ribaltas onde as re-presentações pers-crevem em sentimentos líquidos a fonte límpida, trans-lúcida, trans-lúdica de moléculas quiméricas, química de opacos corpos, trans-invertidos de ilusões do sempiterno iluminado de nonadas, trans-passando o vácuo abissal de genesis trans-substanciadas aos versos melódicos, ritmados de frinchas abertas ao espaço trans-contingente, pers-nada do espírito à busca da alma a per-vagar efemeridades cristalizadas em linhas espectrais des-figuradas, des-configuradas, des-conectadas nos apocalipses desmaiados de essências-genesis, nos manque-d´êtres desfalecidos, no en-si-mesmado alvorecer do não-ser-ser, pre-figurando as imanências solúveis, a iluminância lácia de versos sonoros des-pertando, a-cordando miríades desérticas, melodiando a areia quente à lírica da madrugada gélida, encurvando aclipses de declives, em direção às in-versidades que con-templam os re-cônditos inters-ticiais da alma, a-curvando buracos de a-clives, engolindo poeiras meta-físicas, tragando rachaduras do solo, ausência de águas em chuvas de arco-íris, vertendo em vertentes trans-diáfanas a poesia-poética-poiética do in-consciente divo, trans-lucidando, trans-ludicando, trans-luzindo as etern-essências em fumaças passageiras...
O nada de tudo ab-solutiza a essência da nonada, o tudo de nada des-compartilha a imagem-tema, a pers-metáfora temática, silepsiando os luscos-fuscos do tablado, picadeiro do circus-cientes, espírito solar, alma lunar abertos às clarividências do não-ser-ser amando ocultar-se, re-velar-se no silêncio da solidão in-versada de sentimentos algures e alhures, plen-ificados de AMOR, ENTREGA aos reverbos límpidos, cinzas pers-crutando a ilumin-idade do ser que é outro de ad-jacências re-versas á realidade do espírito-ser...
Minha caverna é um bom porto!...


(**RIO DE JANEIRO**, 21 DE MAIO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário