Total de visualizações de página

domingo, 28 de maio de 2017

#E O RIO BEBIA A FLORESTA# - GRAÇA FONTIS: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


E o rio bebia a floresta.


Silente surge à beira da floresta uma presa sombria. Céu de estrelas pela noite espiritual.
O nome é bem mais que nome: o além-das-coisas, o além-das-cositas, coisas e cositas livres das coisas, circulando.
Se me en-veredo pelas cositas, desemboco-me nas "tais", e nas tais cositas vou-me fazendo, re-fazendo, tornando a fazer, estamos todos como éramos antes de ser, vou seguindo a estrada das tais, que não trans-formam a linguagem e o estilo de estar-no-mundo, e não trans-mudam as idéias e utopias, assim como o indivíduo aspira a ser, uma letra esforça-se por subir à palavra, letra que exprime tudo, nada é, mas trans-literalizaram as experiências e vivências, tornam-lhes espírito de sonhar a verdade, tornam-lhes alma de desejar, não o absoluto, isto é quimera, o viver aberto aos horizontes re-versos da lareira da contingência, esse picadeiro mais lindo e esplendoroso, onde os risos e alegrias permanecem por sempre - sou, e com muito orgulho e alegria, objeto de risadas e gargalhadas dos homens, e admirador da obra de Gogol, aprendi a representar no picadeiro as graças de estar-no-mundo, nasci sem razão, prolongo-me à busca do sorriso nos horizontes de lareira re-versa, rio de mim mesmo, e morro de alegrias in-versas e trans-versas, olhando e con-templando o uni-verso de in-finitudes sob a luz fosforescente das sensações de ser, não-ser..., perscrutando, em última instância, o desfecho dramático constituir, con-duzir a uma culpa ec-sistencial, ao des-velar de um compromisso original do homem com os seres e coisas dentro e fora de seu espaço, e aqui está o escritor comprometido com o homem, a presença presente desta síntese, não se trata de conflito entre o real e o imaginário.


E o rio bebia a floresta.


Buscava através do aparente o que aparecia, através do disperso o que dispersava, e recolhê-lo no silêncio que dizia a unidade. O devir haver-se-ia de constituir-se, como a ponte entre não-ser e ser.
A vida é viver todas as coisas. Se não as vivemos, não se viveu, estivemos nas sombras do mundo. Por vezes, a maior angústia é a suprema e divina felicidade. E por vezes, se pensamos nas re-versas lareiras do trilhar-os-caminhos-do-prazer e felicidade, é a maior desgraça, infortúnio... E pensamos que somos os tais, se nos enveredarmos pelas cositas. Achamo-nos, pomos óculos escuros, usamos chapéus, estufamos o peito, olhamos de esguelha para a terra, e nada somos.
E a besta Sofia renderá os arrogantes corcéis da hipocrisia, não há mata-burros para bestas, não há bestas para mata-burros, abrem-se os caminhos, suas insinuosidades, suas curvas, suas bifurcações; a vaca Costela dará leite no curral vazio para os seus bezerros. Os mortos não choram.
E enveredando-me pelas tais, desemboco-me nas cositas, e nos horizontes belos, na beleza dos horizontes, no esplendido de Belo Horizonte, e descubro entre emocionado, tirando os óculos escuros do rosto, con-templando à distância, olhos rumo ao que não voa nem flutua no ar, agradecido por estar no mundo, entre os homens, as coisas e os objetos, aprendendo sensibilizado a caminhada ora nos caminhos floridos de florestas, ora nas estradas de pura poeira...


E o rio bebia a floresta.


Não aguardei que a madura idade me convertesse em flor, essa beleza, em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada. Por entre os estatutos da terra e a conjuntura esconjurada dos deuses caminho. Ao sobrepujar o lugar, a audácia me leva a favorecer o não-ser contra o ser.
Vida, vida, vida... E Clarice Lispector, minha amada e querida escritora das horas em que a vida mostra suas perspectivas de dor e sofrimento, ipsis litteris trans-literalizada de vida, diz que não a precisamos entender, sim vivê-la. E estou vivendo agora as cositas das tais, as tais de cositas, comungadas vão desembocar nos horizontes de lareira re-versa, quando sinto e vivo o amor que compreende, vivencia, vive, entende... É a rosa da vida o amor - dizendo assim, lugar-comum, mas sentir isso nas profundezas dos quês-da-vida, hum... rum... ou rum... hum..., cositas da vida vida de cositas, vida de tais cositas...cositas de tais vidas...
Poeta e escritor jamais serei, sou o homem imperfeito na vida, no caminhar por entre o picadeiro da vida e a vida de todos os picadeiros...


E o rio bebia a floresta...


(**RIO DE JANEIRO**, 28 DE MAIO DE 2017)




Nenhum comentário:

Postar um comentário