Total de visualizações de página

segunda-feira, 11 de abril de 2016

LUZ EM CRISTAL DE ÁGUAS (Criado em 12.05.2004) - Manoel Ferreira


Calmo... tudo calmo... um silêncio fundo como um abismo para depois explodir numa confusão de sons vindo como raios de luz numa velocidade infinda cortando, penetrando, dilacerando por dentro, obrigando-me a tapar os ouvidos...
Se as constelações se encontram próximas? distantes? Não desejo. Estão bem onde estão. Se me encontro satisfeito? alegre? Por vezes, estou; por vezes não. Desejo estar bem num momento de dores e sofrimentos, por vezes consigo; por vezes não. Estou bem onde estou.
Tu, caminho por onde me embrenho a passos lentos e comedidos, e volvo os olhos, o corpo, o sexo, não creio ser o único que existe aqui, creio existem muitas coisas invisíveis, eis a lição rasa da aceitação.
Tu, ar que me dás o alento e o desalento para falar – há quando percebo as palavras que pronuncio, os gestos, assustando-me por não dizerem o mínimo do que está a perpassar-me o íntimo, âmago; clamo pelos gestos e palavras que, juntos, mostram o que me vai dentro.
Vós, objetos que do disperso tirais os meus desígnios e lhes dais forma ou des-forma – e vejais desde já que antes não estava a vos dirigir a palavra, são objetos, e quem lhes dirige a palavra muito bom da cabeça não deve estar, isto se já não está muito dispersa e confusa, confundindo alhos com bugalhos; dirigia-me aos humanos.
Tu, luz que me envolves inteiro em seus raios, inda mais quando incidida em cristal de águas, e a todas as coisas com as tuas delicadas e igualitárias ondas.
Caminho por corredores estranhos e mofados. Algumas lembranças vazam pelos cantos, dando um travo, apertando até ficar mais sensível a alma. Afasto estas lembranças para poder seguir, importa isso, importa seguir, mas para onde?
Um olhar dentro que sempre me faz arrepender de não haver dito as derradeiras palavras nesta ou naquela situação, o gosto desenxabido de letras e acentos. Principalmente do que não gostava. Arrependo-me do que não gosto, não trago dentro qualquer admiração e reconhecimento.
Desde quando acredito trazer comigo um bolo de sentimentos a ser dito nessa hora? Não o sei, creio que desde a eternidade. Se é ou não chegado o momento de dizer coisas armazenadas há muito, libertando-me do arrependimento trago nas costas, sentindo-me entregue aos desígnios, não me é dado responder, mas, em contrapartida, digo que algo está muito diferente, quem sabe por haver decidido mergulhar nesta gruta, seguir alguma trilha que, no íntimo, sabendo de antemão, não mais me sentirei arrependido disto e daquilo.
Cada momento me transforma, convencendo-me, com a maior facilidade, a aceitar as forças que me habitam, a acolher os sofrimentos e dores, sentimentos e emoções trazidos em mim dentro; persuadindo-me, com algumas dificuldades, por haver instantes, longos e difíceis, em que acredito não ser capaz de entregar-me aos seus desígnios, a poderes mais criadores e inventivos.
Posso dizer a palavra amor? Por que não escolhera a plenitude do sentimento: “posso dizer a plenitude do amor? A escrita da alma só tem por intérprete um silêncio, esse silêncio habitado por sons, vozes absurdos, ambiguamente movidos pela ânsia do sublime. Dizendo: “Tenho sede”.
Hoje ouço nitidamente o silêncio fundo como o abismo. Neste momento particular, os gritos e gemidos estão condenados à indiferença do universo e no fundo a tragédia é não ter coragem e desejar dolorosamente mergulhar-me inda mais, até de mim não restar nem a sombra das mãos ao longo das pernas, seguindo-as na caminhada, refletida na pedra fria.
Deixo-me envolver pela carícia do silêncio, olhando uma luz que sai de uma fresta do teto, incidindo na água de uma pequena lagoa no canto esquerdo. Encontro-me sentado a uma pedra, contemplando as coisas.
Sonho. Este sonho traz-me tanto êxtase: tenho ansiedade de crescer, ser alguém na vida – ouvira isto desde sempre, “é preciso ser alguém na vida” -, fazer algo de que realmente gosto. O sonho leva-me à esperança e, aos meus olhos, apesar de lúcidos, mas tenho dúvidas se continuo lúcido.



Manoel Ferreira Neto.
(11 de abril de 2016)


Nenhum comentário:

Postar um comentário