Total de visualizações de página

quarta-feira, 13 de abril de 2016

**CORAÇÃO DE PENA E TINTAS** - Manoel Ferreira


31 de dezembro...



A cada dia as suas tintas.
Por que, então, assumir a pena de amanhã? (Manoel Ferreira Neto)



Se as esperanças de amor e paz se fazem continuamente, esperanças de amor e paz dentro de outras esperanças de amor e paz, dentro de outras esperanças de amor e paz, a continuidade delas construindo o “SER”, esplendendo-lhe e elevando-lhe aos auspícios das origens e passos ao destino e liberdades, como artificiara, contingenciara e espiritualizara a idéia da continuidade do Ser, através da dialética do espírito e do tempo, o meu eterno e imortal guru, o “tau” da amizade e do amor, por inter-médio do mergulho profundo na fé cristã da espiritualidade teológica-filosófica, nas entregas e buscas, sofrimentos e dores quotidianos, sendo o mais feliz nas suas letras e projetos de vida e realizações, embora o garrancho de sua caligrafia – o que é uma caligrafia difícil de ser lida, devido ao ninho de guaxo, se a idéia da verdade está caracterizada com perfeição?, simplesmente nada, não há quem para isso possa apresentar argumentos contrários, se houver, apresento de imediato as minhas defesas em seu nome, argumentos tenho-os às dezenas nas mãos feitas concha, não havendo quem possa degustar a batatinha frita, com sal e catchup, da vitória, por mim não é crítica, apenas uma simples brincadeira carinhosa, eu poderia fazê-lo, não ad-mito que ninguém o faça, alfim a vida nova que sonhei e tive esperanças de vivê-la iniciou com essa idéia, há quinze anos, a cada dia nascem outras alegrias e felicidades, a cada dia nova tinta para a pena de meu coração -, as realizações acontecem ao longo do cotidiano, através de entregas e árduas lutas, acompanhadas de esperanças e fé, buscadas no mergulho profundo na vida, no íntimo do espírito, nas profundezas dos sentimentos, emoções, desejos e vontades latentes que habitam o ser, mister é acompanhá-los de esperanças e fé, de amor e ternura, regá-los com a água viva e cristalina da busca de novas trilhas ao longo dos imensos caminhos do campo que se estendem aos horizontes de todos os infinitos, olhando os longínquos espaços que necessitam ser ocupados, preenchidos de vida, ser e não-ser, carinho, dedicação.
Sinto, penso que a vida pode ser um sonho, é um sonho, contudo as letras não são sonhos, são pro-jetos e utopias. As letras por si só não são poesia, as palavras não versam, não estrofam, os sentidos não transcendem, não se elevam; moro na elasticidade, flexibilidade delas, faço guerra, causo polêmica, armo barraco, solto os cães, rodo a baiana dentro do silêncio. A poesia corre, brinca, faz palhaçada, pula e chora, con-templa o sonho que não é definitivo, há uma fábula e um chão que se multiplicam, há uma lenda e um abismo que se multifacelam, há um rito e um mito que transcendem. A dor e o gozo comprazem-se em mim. Navego sem indiferença: o sol e a lua. Meu corpo tem movimento, os dedos de minhas mãos performam a dança dos dígitos, ossos e carne movimentam a cadeira de balanço. Nada de inanimar a poesia, fazer dela o estático e o esquecido. Poesia desde a prosa à criação, poesia desde a idéia à iluminação, desde a tese à inspiração, desde o nada de todos os tempos da história às esperanças das circunstâncias ad-versas dos avessos re-versos, outro que não é história, mas a-núncio de Apocalipses.
Quiçá descanse o meu coração, vislumbre o gavião e a andorinha, enquanto não sonhe em ser águia, tampouco um belo e dourado cisne ou homem-pássaro denunciando, sóbria e solitariamente, as ruínas da ecologia. A sombra do imenso arvoredo à margem esquerda do rio cristalino de águas ternas e suaves cantará tenras canções de ninar às flores, às folhas da árvore que emurchecem, caem, são húmus de outras que ad-virão. Não haverá sopro que apague as chamas pueris e o amor em maioridade. Reflexo e esperança, re-talhos de fantasia apenas! Rodas infantis, canto de forte sin-fonia e sin-tonia com o uni-verso esplendido e de vasta alegria, com o visionário infinito de nuvens e de divino êxtase.
Pensara, re-pensara inúmeras vezes, desde o amanhecer, quando fui comprar pão e cigarro na padaria, o que faço todos os santos dias do ano, antes das oito horas, depois do banho e das vaidades dos cremes, perfume e desodorante, nesse itinerário muitas letras nasceram e renasceram, felizmente lidas pelos leitores e amigos, à tarde, no botequim Pôr do Sol, registrando-as, regadas da cerveja gelada e o aperitivo amarelo, até à noite, assistindo a filmes diversos pela televisão, especialmente os antigos, Rastros de Ódio, John Wayne, O Grande Território, Gregory Peck, que me legaram vários objetos de reflexão acerca do ódio, em nada escrever nesse último dia de ano, promover-me um dia de férias, re-festelamento na rede dos sentimentos que ante-cedem a verdade da vida e do ser, por vezes me sinto mentalmente cansado, em conseqüência des-inspirado, re-começando, melhor dizendo até, re-iniciando assim que a aurora do novo tempo se re-velasse no infinito dos horizontes e uni-versos, considerando a primeira palavra registrada, criei-a, era inédita desde a eternidade da língua e do seu sentido, estava trans-parente em todas as dimensões sensíveis, “DESEJO...”, não motivado e inspirado pelo inconsciente coletivo das esperanças de amor e paz de fim de ano, esquecidas ao longo do de-curso dos meses, a-núncio de outro, mas pela continuidade do ser ao longo do ano inteiro, do não-ser fazendo a travessia ao ser, vice-versa, abrindo um hífen para dizer explicitamente, o que acontece, quando sinto ser a-nunciação de verdades por virem, o tempo revelará: “eis a primeira palavra que registro nessa manhã de primeiro dia do Ano Novo, peço e rogo a Maria Santíssima a cada dia outros nasçam e re-nasçam lívidos, serenos, e possa tornar-lhes reais, todas as coisas sejam re-(n)-ov-adas e in-ov-adas, pre-cedendo-lhes esperanças e fé, a vida se torne outra, embora as “marcas do que se foi”, sejam em termos de crescimento e amadurecimento, sejam em termos de buscas e querências que não foram tornadas reais, ficaram suspensas no fio tênue das circunstâncias, apesar das sombras que me acompanham os passos, mesmo com as dúvidas e questionamentos que se tornam manifestos por inter-médio das experiências e vivências, mesmo com as angústias e tristeza – mais triste que a tristeza é a vida sem pro-jetos e vontades, a miséria de estar-no-mundo - que se tornam presentes através dos medos e relutâncias de estar diante do desconhecido.”
Lembrou-me, na verdade, na verdade, intuíra profundo que o último dia do ano ficaria vazio nas páginas dos sonhos, desejos, sentimentos e emoções, vontades e querências, nas linhas e entre-linhas do verbo de esperanças, da carne de amor e utopias, nos ditos e inter-ditos dos temas e temáticas da con-jugação do tempo em suas manifestações de encontros e des-encontros, nos re-versos, in-versos e avessos de abertura às frestas e grimpas do verso uno de silêncio e solidão, de incólume fechamento às luzes que esplendem através das trevas e sombras, abrindo e a-nunciando as nuvens brancas de além, perpassaram-me, con-templei isso e aquilo no per-curso do dia, dúvidas e inseguranças rolaram-me dentro, solidão e desolação estiveram presentes, o que sinto não é exterior, é íntimo, olhando e ob-servando o passado - sem esse registro, à mercê de linguagem e estilo nascidos e re-nascidos em mim dentro – lembrou-me até de alguém haver-me dito acerca de sua leitura: “Tudo o que é escrito nasce de dentro de sua alma, eis porque é esplendido e maravilhoso” -, e mesmo nas ad-jacências da razão e arribas do intelecto, nas redondezas do cogito, no ergo das proximidades, no sum das long-itudes e distâncias, como iria conseguir, ser possível assistir à continuidade do que se foi, avaliando, in-vestigando as trans-formações, trans-mutações, antíteses do passado, outroras de algemas e correntes, ontens de inseguranças e medos, teses do presente de olhos brilhantes que vislumbram o que há-de vir, o que há-de ser, o que há-de esplender de êxtase e volúpia, haverá-de ser na cotidianidade, não apenas do tempo, mas também das novas experiências adquiridas, vivências que aflorarão outros questionamentos, dos projetos alcançados, atingidos, utopias concretizadas e suprassumidas, e dentro deles outras esperanças e fé, outros sonhos, a vida se fazendo e re-fazendo, se constituindo outra, os uni-versos do amor e da paz nítidos, límpidos, cristalinos, a felicidade sendo verdade, a verdade sendo a felicidade límpida, o templo aberto e escancarado ao AMOR E PAZ que afago com carinho e ternura, amor e dedicação, e que desejo aos amigos mais íntimos, companheiros de estrada e vida, aos amigos que percorrem comigo as trilhas das ilusões e quimeras, dos sonhos e utopias, desejam fortemente o encontro do ESPÍRITO SANTO em suas relações com a vida e os homens. E mesmo aos inimigos, insatisfeitos, ressentidos, envio-lhes a flor de cactos, convidando-lhes a saberem de si, a saberem de tudo.
Os caminhos estão cheios de tentações, os meus pés arrastam-se nos buracos de todas as ruas, alamedas, becos, avenidas, miséria de uma cultura, pobreza de uma civilização, fim de uma apoteose de orgulho e bem material, tendo até que criar performances de pisar aqui e ali, qual ator que ensaia a sua atuação e re-presentação para o avant-premier daquilo que está escondido dentro de sete chaves e que no íntimo a-nuncia-se o desejo da VIDA na espiritualidade de todos os momentos em suas volúpias, êxtases, evitando atolar meus pés nas águas sujas, na lama dentro circundada pela ilusão de ótica de asfalto.
Todas as coisas imóveis se desenham mais nítidas no silêncio. A língua está inerte dentro da boca, a respiração comedida na passagem dos sentimentos e emoções, comungados à transcendência do bem e do mal, o coração pulsando forte, esperando a a-nunciação do instante outro na proximidade do segundo etéreo e efêmero. O vento verga as árvores, o vento clamoroso do crepúsculo, o vento que a-nuncia a noite, a lua que ilumina a dança, a roda, a festa...
Desejo o céu! Aqui, censura-se amar a noite, gozar nas estrelas, sentir clímaces na escuridão, conversar simplesmente sobre os orgulhos da estirpe, vanglórias da raça, vaidades da laia, e mesmo acerca das virtudes, valores morais e éticos da vida e ec-sistência, e assentar no passeio público de shorts, camiseta, descalço, cigarro de palha no canto esquerda da boca – fumo cigarro de palha só em casa, para não despertar as línguas venenosas para suas considerações arbitrárias de diferença e excentricidade -, observar os transeuntes perambulando por aqui e ali, vagando por lá e acolá; as musas envidraçadas nas janelas, a perereca da vizinha presa na gaiola (o que é uma injustiça notória e pública, por que não deixar a perereca livre para fazer tudo o que desejar?, a morte ser-lhe-á inevitável; livre poderá divertir-se à beça).
Desejo o céu! Recolher as palavras e levá-las sufocadas no último ônibus, fazê-las dormir ternamente no travesseiro de algodão, em que acontecem os sonhos mais profundos da plenitude e serenidade, acordo na aurora livre para outras tintas em meu coração. É tarde... Épica razão in-versa dentro do relógio da igreja central da cidade em insônia, cujas costas estão à luz da praça de águas iluminadas, a frente voltada para as origens da civilização e seus tabus, o princípio, RUA SANTO ANTÔNIO DA ESTRADA. Não poderia tirar um dia de lazer das letras, que habitam o meu coração, são as frutas deliciosas que como, chupo todas as manhãs, lábios molhados da saliva de volúpias e êxtases, língua ávida de pronunciar única palavra que divinize as con-tingências trans-cendentes do nada, as travessias do não-ser sejam aberturas às querências de buscas e desejos, do ser sejam as verdades dos mistérios e enigmas da vida, embrulhando as miríades do tudo, oásis do nada, ensacando os grãos e sementes das perspectivas, ângulos, visões de esguelha e banda das circunstâncias da busca e do medo de encontrar, ficam à mercê da vida que se estende desde os horizontes do infinito aos uni-versos dos confins e arribas do olhar ao longe e à long-itude, sedentos de amor, paz, felicidade e alegria, o sangue que nele corre deseja, através das veias, imenso a liberdade de percurso e it-inerário, e inerário do it, pensando, sentindo, re-pensando e re-sentindo Água Viva, de Clarice Lispector, perpassá-las, pena e tintas mostrar-me-iam no futuro as veredas trilhadas, as folhas soltas de minha árvore que pairam no ar leves, levadas pela brisa suave da manhã que se a-nuncia no in-finito da terra e do mundo - quê imagem e panorama de ser visto, memorizado e desfrutado no passar de instantes de re-flexões, meditações, de orações em prol da felicidade e alegrias, em nome desse pássaro de amor e paz que vislumbra a portinha de sua gaiola aberta!, aquele pretinho que dá saltinho e outra vez pousa no galho e canta; conheci-o no it-inerário, no inerário do it de outros sonhos e utopias de letras cordiais, para a padaria, hoje mesmo, estava pousado no arame farpado da cerca de terreno baldio, em cujo espaço aconteceram várias queimadas, e só preocuparam o proprietário de pousada e moradores próximos, os bens materiais estavam em xeque, interrompi os passos e fiquei con-templando os seus saltos -, e outras sendo concebidas, geradas, nas suas raízes, nos interstícios da terra o sentimento verdadeiro e forte, acompanhado das emoções das novas des-cobertas, encontros, querências de abrir os horizontes con-templando os versos e estrofes do soneto do infinito, decassílabo de sons e quimeras, de bateria e angústias das sorrelfas que envelaram os medos da realidade, em outras linguagens sensíveis e transcendentes, no re-verso das palavras o sentido nítido de todas as ilusões, utopias, acredito mais nelas do que nas certezas da razão e de seus in-versos, nas ad-jacências do avesso de minhas perguntas insolentes, de meus questionamentos à luz do inferno das meiguices, de minhas respostas à luz das mentiras, fugas, justificativas, que me escondem a luminosidade e numinosidade de meu dia de amanhã, do panorama de meu querido e estimado sertão, das pers-pectivas de suas utopias cristãs, da correnteza do Riacho Fundo passando, soube que se transbordou, felizmente não causou tragédias, levando a flor de meu ser que floriu nos primeiros instantes da aurora, prolongou-se por horas linda e cheirosa, quando um belga entoou o seu cântico à natureza, à divinidade da vida.
01 de janeiro...
“Será apenas mais um dia de esperanças e alegrias de um calendário? Um dia que a vida passa, passa, e não se consegue segurar? Mais um dia de emoções batidas, lembranças de decepções, mágoas e revoltas? Mais um dia do inexorável tempo que passa tampando e tudo arrastando?
Mais um dia de dores, seqüestros, petróleos perdidos na baía? Mais um chato dia de chuva, frio e ventania? Frio na alma e não se pode sair, sair de si, passear, andar, virar outra sem dores, mágoas, pensamentos depressivos, tristes?
Não, não serão agora dias pesados como os que foram, serão gritos de alegria, muita alegria, gritos de festa, de recomeço no Ano Novo. Gritos de libertação, mudança, viver de novo o querido e lindo dia e encher de festas as noites. A riqueza virá trazendo tudo de bom. Deus dará felicidade, alegria, paz no novo dia e ano. Esperanças mil de ano novo, o que passou passou, os restos viraram cinza, viraram pó. Só restaram a alegria, a coragem de recomeçar, “inicializar as origens do nascimento e a continuidade da vida.”
Guerreira do dia da vida, dos amores, ganhadora das coisas que desabrocharão e farão do novo ano esperanças de vida plena e sadia, ”dos novos sonhos e poesia o espírito do ser, a síntese da esperança e do amor de novos sentimentos e emoções na sinfonia da magia e da verdade”. Amo, amo, amo o novo dia. Feliz, feliz Ano Novo?”
Desejo – eis aqui a palavra singular do primeiro dia do novo ano, sentida no mais profundo do espírito, ad-mirando-me sobremodo por transcender os sentidos contingentes que lhe atribuí no cotidiano das circunstâncias, dos verbos que me habitam, ansiando por se tornarem carne, que começa chovendo, clima agradável, continua até agora às dez e cinqüenta dois da manhã, prometendo prosseguir por todo o dia, ouvindo Stand by me, inter-pretada por Lennon, que, aliás, à meia noite, antes, minutos antes, ouvíramos músicas românticas italianas e francesas, horário da passagem do ano, tomando champagne com a doce-companheira-e-esposa, não o tradicional espumante, custa onze mil reais a garrafa, se tivesse esse dinheiro todo, teríamos ido passar o Ano Novo em Pitibiriba; ceando, ouvimo-la, impossível elencar tudo o que me habitou nesse instante, o agradecimento e consideração espirituais por ela haver semeado em mim, com seu amor, dedicação, ternura e carinho, as sementes de outras realizações e felicidades, estar ora desfrutando, curtindo verdadeiramente o outro que é manifesto, posso olhar à distância e saber para onde estou indo, o que estou construindo, diria que meu espírito alçou vôo profundo por todos os cantos do mundo e uni-verso, amor e ternura no peito, segurança e confiança, amar, ser amado por ela, pelos íntimos de minha família de consideração, abriram-me as janelas de frente ao infinito, suas asas de penas alvas movimentando-se livres e espontâneas, tecendo imagens vivas e brilhantes no percurso, ouvindo as palavras ditas e expressas pela humanidade, assistindo às comemorações de passagem de ano, queima de fogos de artifício, sorrisos e alegrias várias, faces esplendendo de esperanças e sonhos, no peito, coração pulsando, o ser se mostrando límpido, transparente, sendo objetivos e projetos a cada anoitecer sentir bem profundo que mais um desejo foi tornado real, felicidade e alegrias perpassando todas as dimensões da sensibilidade, ser, espiritualidade, sendo a verdade inconteste do coração de ano novo – neste ano melodias de letras no meu coração, compostas de sensíveis notas das experiências e vivências, ritmos criados a partir dos pequenos acontecimentos, problemas e sofrimentos, que nasceram e re-nasceram de ilusões da verdade, daquela querência trazida, desde a eternidade, desde a gênese do tempo, por inter-médio dela a vida se re-velar outra, o outro de mim perpassar a minha linguagem e estilo, o que neles se manifesta indizível, inexpressável, inaudito, trans-cender a mera cotidianidade da forma e do conteúdo, seja através de metáforas ou símbolos, aliterações da verdade e veracidade do verbo vero; notas de sombras passadas que regam as sementes que encontro nas andanças por veredas ao longo dos passos, que abrem esperanças do nascimento e da continuidade na vida, líricas de sentidos e significações, compostos de sentimentos de paz, de emoções de entregas às re-flexões do finito e da in-finitude, em cujos alicerces de verdades incontestes das travessias do não-ser ao ser nas veredas do sertão, vice-versa, me inspiro em todos os instantes solitários em que mergulho em mim em busca de alimentos espirituais que saciem a fome secular e milenar, a sede de águas cristalinas, quero a pena registrando com sua tinta as ilusões, quimeras, fantasias do amor pleno e absoluto, a fé que afaga o coração na pujança de suas pulsações, quando as dores e sofrimentos são inúmeros e indescritíveis em gestos e palavras, inseguranças, medos, indecisões, quando o tempo vai passando, deixando no coração a inércia da pena, a tinta ávida de prosseguir sua jornada de impressão na página branca, deixando as suas marcas indeléveis, deixando seus traços e rastros de amor pela vida, pela humanidade.
É um dia de domingo, tudo tem a face, a característica, a fisionomia dele. É um dia de domingo, o tempo ensimesmado em decorrência da chuva que caiu de madrugada, parece com os olhos dele. É um dia de domingo, o peru assado no forno assemelha-se com ele. È um dia de domingo, a garrafa vazia de champagne sobre a pia tem a cara dele. É um dia de domingo, a doce-companheira-e-esposa prepara o café da manhã, tudo tem a sensibilidade e espiritualidade dela. É um dia de domingo, a cidade (cansada) da correria de fim de ano descansa nele. É um dia de domingo, o céu plúmbeo brinca com ele. É um dia de domingo, o sino da igreja apenas está nele. É um dia de domingo, a esperança e o amor buscam incansavelmente a paz ao longo dos dias e meses que se passarão, ficarão para trás, cumprindo não olhar, cumprindo seguir em frente. È um dia de domingo, primeiro dia do ano, dia da Confraternização Universal.
Instantes solitários,
Travessias do não-ser ao ser
Veredas do ser ao não-ser,
Descampados do sertão.
Abrem esperanças de origens,
Sementes, nascimento,
Em aliterações da verdade e veracidade
Do verbo vero,
Eufemismos do coronelismo à luz
Da comunhão espiritual ainda que tardia dos homens,
Prolongamento do “ver”
Na bonanza do inter-dito nas letras dito,
Do dito nas entre-linhas das palavras expressas;
Líricas de águas cristalinas,
Na continuidade da vida,
Em gestos e palavras,
Ações e atitudes,
Compostos de sentimentos de paz,
Da aurora ao crepúsculo,
Emoções outras compõem
As notas ávidas de ritmos e musicalidade
De entregas e re-flexões das verdades
Que espiritualizam os alicerces do amor
E esperança de re-nascimento,
Re-fazenda do ser;
Querências de buscas e desejos
Não são sonhos, são utopias,
Melodias de letras no meu coração,
Que alçam vôos profundos
Nos versos e estrofes da verdade
E do ser nas asas abertas,
Pairando nos horizontes do vento
As esperanças da continuidade da vida e espírito,
Liberdade de per-curso e it-inerário,
No it do inerário notas cadenciadas de quimeras e utopias,
Nos uni-versos do silêncio,
Das águas cristalinas,
Compor os verbos do novo amanhecer,
Na aurora de novo tempo,
Do homem que planta a semente,
Rega-a de água cristalina,
Para saciar sua sede
De felicidade e alegria.
Desejo nesse novo ano que ora inicia compor a música de meu coração de pena e tintas, e que ela seja uma re-presentação de Skyline Pigeon, de Elton John, nos bastidores de Stand by me, a lírica de meu ser na continuidade dos instantes, versos e estrofes do quotidiano de buscas e desejos, não apenas da vida e espírito, mas também da essência do corpo e dos ossos na continuidade do tempo e suas intempéries, de meus simples olhares às efemeridades e fugacidades do presente feito de interesses e ideologias, de meus ouvidos ouvindo os cânticos de glória ad-vindos dos horizontes de uni-versos infinitos, que são estercos de outras pré-senças de paraísos terrestres e con-tingentes. Desejo aquele sorriso esplendoroso e magnífico de meus leitores-amigos, amigos-leitores, quando lhes entrego a nova edição, dizendo, como uma amiga paulistana,“as suas letras tocam o mais profundo da alma, faz a gente buscar a sensibilidade dos sonhos, os sonhos da sensibilidade, da espiritualidade, da carne tornada verbos do amor e da paz”, que suas vidas seguem as veredas de suas utopias, sentem-se alegres e esperançosos da verdade e amor puros, singelos, serão outros com as sementes que planto em seus corações sedentos e esfomeados de fantasias, de outros alvoreceres. Desejo desfazer as mãos em concha, que real-izei em prol de con-templar as coisas, que nelas coloquei, das alegrias e questionamentos, indagações, perguntas, sentindo forte e pré-sente que se fazia mister andar o caminho sem margens, estar aberto e exposto à amplitude e infinitude do quotidiano livre do sim e não, doando-lhes como sementes de outras realidades, de outras verdades. Desejo que as pessoas percam o sentido, as coisas percam o sentido, os gestos percam o sentido, o passado perca o sentido, o presente perca o sentido, o futuro perca o sentido, o sentido (tudo ou nada) perca o sentido. O amor no seio de todas as coisas, o som rock ou clássico na imensidão delas, a busca de Cristo na confraternização delas.
02 de janeiro...
Andar o único caminho sem margens...
Não é fácil ficar sem metáforas, é ficar sem água no deserto real, aos raios incandescentes do sol, alfim elas cobrem e en-velam as incapacidades de dizer de modo nítido e transparente o que habita as dimensões con-tingentes da alma, o que perpassa a veia, quando o sangue nela corre e segue o seu itinerário, o que na retina dos olhos observa as perspectivas das buscas do belo por inter-médio de todas as mazelas da vida.
Julguem-me ilusionista, o que isto importa? - ilusório, um reflexo de nada, até mesmo um reflexo baço de uma cericória, como desejam alguns que seja assim, a realidade seja inconteste, a verdade seja divina, o sentido dela seja ab-soluto, não suscite questionamentos, desconfianças, por mais absurda seja esta idéia, por mais verdadeira, questionável, merecedora de pequena atenção, sem fervores nem ardores, não merecedora de qualquer observação, mas, podendo afiançar e asseverar que a ilusão, o nada consomem a ilusão e o nada, a cericória consome o reflexo baço, por mais que o contra-senso se revele, de imediato, diante de afirmação até sem sentido algum, “a ilusão e o nada consomem a ilusão e o nada”, havendo sim sentido envelado, as palavras amam ocultar-se e revelar-se, mas nas entrelinhas, deixe-me dizer logo, antes que efemerize no tempo, há coelho atrás do mato, há outras perspectivas e ângulos a serem intuídos e vislumbrados, des-lumbrados e a-lumbrados; isto querendo significar o caminho sem margens continua sendo virgem, puro, inocente e ingênuo, sob os pés, sob a imaginação das mãos, dos dedos performando os caminhos do ser, sob a razão da cabeça, quanto mais o meu coração de pena e tintas deseja abrir os uni-versos de palavras e ritmos, mais notas se a-nunciam dentro em si, quanto mais ando, tenho de andar mais ainda, sem andar sou é nada, ser alguma cosita quantas léguas se fazem mister pisar? Para chegar a essas letras aqui registradas nesse início de ano e de outros olhares às sementes da vida e de suas luzes de amor, andei por cinqüenta anos, engatinhando, tropeçando, arrastando, seguindo em frente, caindo, levantando, acreditando, desacreditando, perdido e confuso diante das discriminações, pré-conceitos, invejas e despeitos dos que nada são e ostentam valores insofismáveis, sendo, aliás, agora em janeiro, aniversário das letras, meio século, merecedor de ser comemorado, sem champagne, sem entre-vistas concedidas, com outras letras trazidas da essência de meu coração.
Desejo a folha em branco deixar de ser branca – olhei sobre a mesa da sala de estar uma folha em branco, minutos antes da meia-noite, ouvia Zingara, passara a mão direita na face esquerda de minha doce-companheira-e-esposa, sorri, beijei-a na boca, senti o gosto de sua língua molhada da saliva, engoli-a, senti-lhe profundo no corpo – deixará de ser branca, em homenagem à prosa-poética; dela, a mensagem e a palavra – a vida. A folha em branca fotografará a paisagem sertaneja e os mistérios da fecunda fé em Deus, a força viva da criação. A gota de orvalho expandir-se-á no silêncio contemplativo da folha em branco – prosa poética.
Vai passando a noite, vai passando o luar, vai chegando a madrugada, madrugada despertar. Despertar e trabalhar e pedir ao Salvador: Senhor do meu sertão, Oh, Senhor do meu sertão, molhai esse chão sem vida, para os homens plantarem e colherem bons frutos, espalhando a gratidão, divulgando louvores e glórias.
Meia-noite! O mundo inteiro sonha com a paz, renova as esperanças de realizá-la. Nas montanhas, pairam-se os ecos desesperados da humanidade. A lua perde um pouco do brilho milenar, as águas fixam-se inertes. As estrelas, brilhando no infinito do céu, despertam o esplendor e maravilha da metafísica da gênese da felicidade, da dialética do ser e da continuidade na busca incessante do amor e da felicidade, que brilha no ar, como a gota d’água que descobre no ar os oxigênios que entram e penetram no pulmão.
Poesia, uma simplicidade cheia de segredos. O poeta faz da arte um emblema que roga outros amanheceres, outros crepúsculos, não se arrepende de ser o que é, não se orgulha de estar sempre à busca, por vezes encontrar, por vezes des-encontrar. Sou a procura da solidão, do silêncio, de sua ópera mágica e misteriosa, performado de espetáculo musical como o era na era áurea do cinema, a oitava maravilha do mundo, o deserto vai imenso dentro de mim. Minha existência, em corpo e alma, universalmente, fortalece o meu grito, simbolizando mil segredos distantes de mim.
Chove torrencialmente no instante presente. Enxurradas rindo carnavalescamente da fraqueza do estado das coisas, da força do estado de calamidade pública, da sensibilidade dos miseráveis que choram compulsivamente por elas levarem o que conseguiram construir e adquirir com tanta dificuldade. A pequena flor do pé de tamarindo por um triz. De repente, quebra-se, tenta resistir e cai, vai teimosamente arrastada; agiganta-se em vão.
Serei o amante eterno do amor, nesse ano que ora se inicia, e não me limito na liberdade dele. Percorrerei a cidade sem celebridade, mas tenho o infinito para alcançá-la. Meu passado brinca nos campos silvestres; quê verdes ramos, quê vaga-lumes, quê inocência, quê saudade! O rio de águas límpidas silencia-se, ao cair da tarde nublada. Não terei a pretensão nem o mistério de ser o que sou perante a estrela – invariavelmente fixa no céu. Desejo fazer sorrir o coração infinito da paz, do amor e da esperança. Percorrer as curvas da plenitude, oferecendo um livro novo e um dom transcendental: viver por outra vida.
Acordei nessa manhã chuvosa des-abraçando o in-finito, com o meu olhar varando a distância e a minha inspiração reluzindo, no céu, um vasto horizonte. Desejo fazer sorrir o coração infinito da paz, do amor e da esperança. No meu coração de pena e tintas ec-sistirão novas alegrias, sentir-me-ei feliz por haver nele des-coberto o imenso paraíso do amor e esperança. A luz de cada aurora criará imagens na memória e no meu ser, pousará reflexos em todas as madrugadas, cintilará à solidão dos mares o meu coração de pena e tintas.



Manoel Ferreira Neto.
(13 de abril de 2016)


Nenhum comentário:

Postar um comentário