Total de visualizações de página

sábado, 16 de abril de 2016

**O DESEJO DE FELICIDADE ORVALHA A ALMA** - Manoel Ferreira


À Sonia Son Dos Poem Gonçalves.

Amor... Verbo im-perfeito de pretérito-pers de pectivas de in-fin-itivos pre-liminares... amanheceu nublado hoje, gotículas de chuva. Tempo de alimentar de carícias e ternura a saudade tres-loucada do gerúndio na intimidade composta de êxtase e gozo, o clímax trans-elevado aos auspícios da verdade da vida.
Amor... Gerúndio mais-que-perfeito de particípios pectivos da pers de sentimentos revelados na alma que rejubila felícias, glorifica êxtases de alegrias que nascem, re-nascendo sonhos e esperanças outros, que con-templam a beleza do verso uni-verso de metáforas símiles, sin-estesias sincrônicas do ad-vir perpétuo do absoluto, do pretérito perene do efêmero, efemerizando templos de mistérios, nadificando tabernáculos de enigmas, efemerizando templos de efígies pagãs, nonadificando paráclitos de rituais e magias, nas ondas da luz o eidos da perfeição, nas iríases do silêncio o espírito do ab-soluto regido de verbos do eterno.
Amor... Infinitivo de poie-léticas do sublime re-versado de silêncio, in-versado de solidão, ad-versado de melancolias, a-versado de ex-tases do belo, mais eis que surge a roda viva e trans-eleva os desejos do verbo, o desejo de felicidade orvalha a alma, transcende as vontades do eidos da essência do eterno, tempo de recomeçar querências e desejâncias, tempo de re-criar volúpias e fantasias, tempo de re-inventar o soneto do ad-vir carente de eter-itudes, manque-d´être de sensível sensibilidade subjetivando o orvalho do espírito à luz das folhas verdejantes da primavera, a neblina do ser à cintilância das estrelas níveas do inverno.
Amor... Línguística de estilo que pres-"ent"-ifica o silêncio da solidão na imagem-pers do genesis da essência-eidos da travessia das contingências da felícia do tao-veredas do divino nas divin-itudes que divin-izam as divin-idades do não-ser, subjuntivo presente das pectivas-retros do eidos-essência da esperança à luz de uma madrugada, desejando a conchinha de corpos no sono gostoso do carinho e afeto, do sentir a entrega plena da carícia e afeição.
Amor... Semântica da linguagem que vers-ifica o sonho da palavra-verso que re-presenta a face-iríase do além-esperança da roda-viva das querências e desejâncias da felicida do krishna-senda da omnipotência e omnisciência nas imortal-itudes que perenizam as sensações do eterno e sentimentos do ser...




Manoel Ferreira Neto.
(16 de abril de 2016)


Nenhum comentário:

Postar um comentário