Total de visualizações de página

domingo, 30 de abril de 2017

#POETISA E ESCRITORA PORTUGUESA MARIA FERNANDES COMENTA O POEMA-AFORISMO #UM CORPO EM CHAMAS/AMAR: SENTIR O IN-AUDITO DO SER#


O Amor nunca se contenta, pois é um procurar incessante de completude, de delícias de corpo e alma num só amplexo de "in" finitude. Os dois, Manoel Ferreira Neto e Graça Fontis, amantes dar artes se completam e complementam. O poema e prosa num delírio de êxtase, de declaração de Amor. A pintura excelsa remata em apoteose a "Confissão dos Amantes" Belíssimo. Parabéns.


Maria Isabel Cunha


#UM CORPO EM CHAMAS/AMAR: SENTIR O IN-AUDITO DO SER#
GRAÇA FONTIS: PINTURA
GRAÇA FONTIS/Manoel Ferreira Neto: POEMA/AFORISMO


Este fogo ardente
Chamas que mais aumentam.
Fome incontrolável e inconsequente
Se apossando desta forma
De uma simples e feliz mortal.


Sinto a carne gemer de dor
O corpo clamando amor
Delírios de faz de conta,
Histórias alucinantes,
Fantasias e ilusões provocam noites inteiras.


Deito-me pensando assim...
Caminho sentindo-me assim
Nesse intenso calor
Rubor chamado desejo
Certo brilho no olhar...
Onde esteja me acompanha.
Voz trêmula,
Mãos úmidas e o corpo a pedir mais...
Mais que não satisfaz.


Com o sol, novo amanhecer...
E nada mudou.
Assim vou caminhando
Sempre com ardor procurando,
Não importa, desde que esteja amando
O coração sempre vibrando
Na expectativa e na espera
De beijos...sob luz de velas.


Graça Fontis


**AMAR: SENTIR O IN-AUDITO DO SER**


Amar: o verbo de sentir os abismos de desejos amplia-se no âmago da alma, acaricia as dimensões dos sonhos, sonhos dentro de outros sonhos, dentro de outros sonhos, a-nuncia-se o êxtase do pleno da entrega, re-vela-se o clímax do prazer, manhã de chuvinha fina e suave na floresta, os pensamentos voam, querências da presença, corpos usufruindo prazeres, toques, carícias, verdades límpidas no riste das palavras, palavras que pronunciam verdades, cor-simbolizando o espírito de sentimentos da leveza do ser em harmonia com a suavidade do inaudito, cor-significando, sor-signiversejando o que trans-cende o espírito, a essência do genesis-vida, a sublim-itude do além-verso, além-estrofe, o soneto-divo do absoluto encontro com o infinitivo-ser das peren-itudes do uni-verso, amor puro, pureza de amar, amor verdadeiro, verdade antes de quaisquer verdades, trans-preterizadas de quimeras e fantasias do antes da vida, nonadas da criação, nonadas artífices da vida-amar que são a vocação ec-sistencial para a felicidade.
Poeta poetiza a poesia. A poesia poematiza a vida. A vida, antes de quaisquer belo sentimento do verbo "Ser, compõe a liberdade na lírica da poiética das desej-âncias do amor. Amar é a vida do eterno na continuidade do tempo que se essencializa no ser de buscas, no não-ser de contingências que trans-elevam o que dói sem doer, o que sofre sem os pretéritos do há-de vir...
Amor...


(**RIO DE JANEIRO**, 30 DE ABRIL DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário