Total de visualizações de página

quinta-feira, 13 de abril de 2017

#OLHAR MAIS GENTIL OFERECIDO AOS SÁTIROS** - Graça Fontis: ESCULTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO


Clítia era uma ninfa das águas, tímida e gentil, que vivia nos rios ermos, e banhava-se onde as libélulas voavam em torno dos lírios d´água nos lagos de águas transparentes.
Sobre o velho relógio-de-sol os pombos de plumagem branca arrulham modorrentos enquanto alisam a plumagem cor de neblina, e os lírios inclinam as longas hastes como procissão de monjas vestidas de branco. Apolo, cheio de desprezo e enfado, açoitava os cavalos de fogo quando a cada dia passava por Clítia, não se dignava a dar-lhe um olhar mais gentil que o oferecido aos sátiros que andavam entre as folhagens densas dos bosques.
“Na verdade”, dissera Diana, ligeiramente zombeteira: “Na verdade, a bela ninfa lança tão desbragadamente o tesouro de seu coração aos pés de meu irmão de louros cabelos anelados, que isso lhe permite maltratá-la, e ela está se tornando uma flor emurchecida”. Enquanto assim falava, o coração dos demais habitantes imortais do Olimpo ficaram tomados de piedade. “Ela será uma flor, disseram, e por todo o sempre viverá uma vida que se renova a cada ano com a vinda da primavera...”
Pudesse eu expressar o que este mito de Clítia reflete em mim... Sentindo-me como quem busca a expressão de algo muito íntimo, nada mais desejo expressar senão acerca das palavras que ora estou registrando na folha branca de papel, enquanto tomo um aperitivo num barzinho do centro da cidade, os funcionários da Prefeitura estão montando na escadaria da Catedral Metropolitana a Cruz da Paixão de Cristo, sendo um dos freqüentemente frequentadores.
Quem sabe, se fosse um deus, uma ninfa, diante desta realidade com que vivo no quotidiano em relação às palavras e as coisas não fosse condenado, de acordo com a vontade dos deuses, a assumir a forma de um rio, e para sempre, como símbolo da continuidade, fitar com ardor sereno o rosto do sol, o artífice de relógio e anúncios, o amado de quem vive de palavras e verbos!...


(**RIO DE JANEIRO**, 13 DE ABRIL DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário