Total de visualizações de página

sexta-feira, 24 de março de 2017

**QUIÇÁ SOB AS ÁGUAS E O FOGO** - PINTURA: Graça Fontis/SÁTIRA: Manoel Ferreira Neto


Águas de março fechando o verão... Um rio de águas límpidas...
As águas, aos poucochitos, aos poucochitos, perdem a circulação que vivificava a terra. Perdem, perdem, perdem. As montanhas - não é espetáculo mágico ao alvorecer estarem cobertas de neblina?! - abatem-se e diminuem, os rios carreiam, o mar enche-se e eleva-se, as ondas terminam na praia, as gaivotas alimentam-se das iguarias, tudo, insensivelmente, tende ao nível, contudo a mão do homem retém essa tendência e retarda esse progresso. sem esses. tudo, ou quase tudo, não o sei, aconteceria com uma rapidez sem precedentes e a terra já estaria quiça sob as águas.
O antes fascina, extasia. excita. E como foi antes? Quisera responder, mesmo equivocado de tudo, aquele equívoco sem precedentes, quase tornando-se verdade inconteste. Ousar, aventurar, eis o segredo.
Antes do trabalho humano, as fontes, mal distribuídas, espalhavam-se mais desigualmente, fertilizavam menos a terra e saciavam com maior dificuldade os seus habitantes. Os rios frequentemente eram inacessíveis, com bordas escarpadAs ou pantanosas; como a arte humana - a arte não é o espírito das trans-formações, a transparência dos mistérios e inauditos? - não os retinha nos seus leitos, comumente abandonavam-nos, extravasavam para a direita e para a esquerda, mudando a direção e o curso, dividindo-se em inúmeros braços. À vezes secavam, às vezes areias movediças impediam de abordá-los e, assim, morria-se de sede no meio das águas.
Morrer de sede no meio das águas? Isso é inconcebível. Fora ousadia, aventura, imaginar o antes, dei com os burros e a carroça na areia movediça.
Se se morria de sede no meio das águas, forçoso é pensar que se morria de fome também. Como cozinhar os alimentos. Alguns alimentos não são comidos crus, como a carne, por exemplo, o estômago e o intestino humanos não são feitos para digerir carne crua. E com que se cozinha as coisas? Nada mais, nada menos que com o fogo. O fogo, além de ser útil para cozinhar os alimentos, ainda apraz à vista e seu calor é agradável ao corpo. Quê esplendor, que magia a visão das chamas, fazem os animais desembestarem na corrida, fugindo, mas atrai o homem. Atrai? Como atrai o homem? A água sempre foi livre, o fogo teme a água, apaga-o. O fogo atrai os homens no sentido de reunirem-se em torno de uma fogueira comum, aí se fazem festins, ai se dança. Cozinhar sem água é impossível, mas assar plenamente possível, carne assada, por exemplo, que delícia. E a sede depois da gula? Os agradáveis laços do hábito aí aproximam, insensivelmente, o homem de seus semelhantes e, nessa fogueira rústica, queima o fogo sagrado que leva ao fundo dos corações o primeiro sentimento de humanidade.
Infelizmente, terei de remontar isto de o fogo leva ao fundo dos corações o primeiro sentimento da humanidade ao passado. Ao redor de uma churrasqueira, carne e bebida à revelia, os homens se comem com os olhos, recitam e declamam as mazelas dos outros, dão escândalos, isso quando não termina em pancadaria. Hoje, então, o fogo desperta os instintos das desavenças humanas, atrai mazelas em confronto? Mas hoje também o fogo atrai as intimidades entre o homem e a mulher. Nada melhor que as luzes apagadas, as achas de lenha crepitando-se na lareira, vinho sobre a mesa, a janela aberta, a lua e as estrelas esplendendo seus raios luminosos, para uma intimidade sem precedentes. Que eu saiba a água não desperta a libido. Ao contrário, fá-la dormir o sono da carência.


(**RIO DE JANEIRO**, 24 DE MARÇO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário