Total de visualizações de página

domingo, 26 de março de 2017

**LÁ NA VENDA, LÁ NA VENDINHA...** - PINTURA: Graça Fontis/SÁTIRA: Manoel Ferreira Neto


Epígrafe:


Ave Maria, cheia de graça... cheia de graça... Ave Maria, cheia de graça...


Meus olhos fixos na lâmpada suspensa no teto do quarto, não piscam, estão fixos... Em mim dentro, sentimentos e emoções ad-versos fluem, assisto ao espetáculo sensível com respiração comedida.
Lua solidão. Estrela solidão.
Uni-verso silêncio. Horizonte silêncio.
In-finito vazio. Verbo vazio
"Você precisa de alguém?", ouço voz quase silenciosa diante de seu sussurro perguntar-me. A voz penetra-me: afigurou-se-me a voz da sabedoria, que só em instantes mui especiais se revela "Não preciso de ninguém.... Preciso de amor, não me serve qualquer amor." Se me perguntassem com que voz respondi, em que tonalidade, diria com voz de carência acompanhada da ausência de compreensão, não conhecia esta carência tão profunda; não sussurrei, não murmurei, voz de quem está com amigos jantando num restaurante, aquele diá-logo tranquilo, um "causo" no ar. Aprecio um causo. Armo as minhas próprias armadilhas com ele. Viver é um perigo.
Feto, féretro... A claridade me fere os olhos, mãos cheias de dedos no ar, os dedos movem-se como a digitarem letras... O abismo é fundo, muito fundo, estou caindo... Por favor.... por favor... me socorram: caindo, estou caindo, as mãos tremem... Meu Deus, meu Deus.... Estou caindo, o buraco é muito fundo.... Quero o mundo, quero, quero o mundo... Por favor, tirem-me daqui, tirem-me daqui...
Grito...
Lá na venda, lá na vendinha, é lá que tem aquele caderninho de linhas pretas... Palavras sem nexos, nexos sem palavras... Meu Deus, me tire deste lugar... Não quero sumir neste buraco sem fundo... Há uma neblina a cobrir os objetos... Parece que o quarto está girando.... Mas o que é isto? Um cachorro em disparada, rabo entre as pernas, corre e late, corre e late... a rua deserta...


Ave Maria, cheia de graça... cheia de graça... Não sei rezar, as palavras me faltam...


Por favor, me ajudem, peço que me ajudem... Mãe ouviu meu grito na madrugada... Correu. Estava deitado no chão, olhos estatalados em direção da janela que dormiu aberta... Com dificuldades me colocou na cama... Deitou minha cabeça no colo... Começou a rezar.... Minha mãe já é falecida... Estou sozinho no meu casebre. Vivo de mim, vivo sozinho...
Meu Deus, quero o mundo... Por favor, estou no vazio... Não me abandone, por favor. Ave Maria cheia de graça, cheia de graça entre as mulheres... Não sei rezar. O ventilador está ligado, não sinto o ventinho dele no corpo, toco-me, os dedos tremem, nada sinto em mim... tudo me fugiu, tudo me foge... Minha Mãe Santíssima me ajuda... Estou dentro do vazio, o mundo se esvaiu inteiro...
Preciso escrever, não consigo me levantar da cama... se é que estou deitado numa cama... Não sinto nada debaixo de mim... Preciso escrever...
É a minha salvação... Ave Maria, cheia de graça... Estou caindo num buraco sem fundo, sem fundo, sem fundo, sem fundo...
Deixo-me a con-templar o meu cadáver sobre a cama, com simpatia e carinho. Tudo me foi, fora morrido... mas a vida... seria que continuasse?


(**RIO DE JANEIRO**, 26 DE MARÇO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário