Total de visualizações de página

sábado, 11 de fevereiro de 2017

*SENTIMENTO - IN "DIVÃ EXISTENCIAL" - 29 DE JUNHO A 03 DE JULHO DE 1989** - PINTURA: Graça Fontis/POEMA: Manoel Ferreira Neto


Sentimento em luz fosforescente
Que não chamo de sêmen de um instante
Que não chamo essência de verdade íntima
Em palavra
Que não chamo núcleo da leveza emocional
Não é puro, não é origem.
Sentimento.



Abaixo concepções...
Abaixo definições...
Abaixo acepções...
Enveredar-me por outros caminhos
Embrenhar-me noutras sendas, nossos bosques
Enfiar-me noutra gruta, noutra caverna
"Ser não é mostrar-se e mostrar-se não é ser",
À frase, aconchegando a cabeça na almofada do divã,
Olhava o infinito através da janela aberta,
Respondi com um sorriso,
Não me lembra ter-lhe revelado nalgum momento.



Sentado numa mesinha na Cantina Saloon,
Cigarro no canto da boca,
Olhos perdidos na calçada da rua Rio de Janeiro
"O que é isto - existir? eis a questão.
Amanhã, degustarei o Para-si, de Hegel



Namoriscar é bem mais interessante...
Não houve condições hoje...
Sem justificações, sem explicações...



O copo de whisky está vazio!

(**RIO DE JANEIRO**, 11 DE FEVEREIRO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário