Total de visualizações de página

domingo, 12 de fevereiro de 2017

**NÓS NINGUÉM - IN "DIVÃ EXISTENCIAL** - 29 DE JUNHO A 03 DE JULHO DE 1989** - PINTURA: Graça Fontis/POEMA: Manoel Ferreira Neto


Esvaece-se a fumaça,
O tempo, que cosita mais furtiva
O ser, que coisa mais difícil de ser ouvido,
Ouvindo-me sendo,
Ritmo, melodia, arranjo, musicalidade, acorde
Musicalizam ao som das atitudes, ações
A música tocando no gravador
Avenida, ruas, alamedas
A loucura desvairada pelas futilidades
Serão lembranças de instantes
De idéias, questionamentos
Entre carícias, beijos,
Serão recordações de carências,
As luzes dos postes iluminando a rua
De por baixo das copas das árvores, escuridão
Subindo a Espírito Santo,
Liberdade, onde estás que não me ouves?
Alhures...
Algures...



Dormitar as ilusões,
Dormitar as angústias,
Dormitar as tristezas,
Amanhã, terei aula de Filosofia,
O esplendoroso Heidegger.



(**RIO DE JANEIRO**, 13 DE FEVEREIRO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário