Total de visualizações de página

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

**ANÁLISE - TEXTO INÉDITO QUE SE ENCONTRAVA EM MÃO DE PAULO URSINE KRETTLI, junho 1989** - PINTURA: Graça Fontis/TEXTO: Manoel Ferreira Neto


ANÁLISE é o título do texto que deixara em mão de Paulo Ursine, e que hoje, 16 de fevereiro de 2017, vinte e oito anos após, ele me enviou. Entreguei-lhe a obra sem titular; devolvendo-ma, fez a revisão; poderia ter dado o título, mas preferiu ser eu a intitulá-lo.
Há aquele leitor que, ao terminar a leitura de um texto, faz muitas perguntas, como por exemplo: em que situações, circunstâncias o escritor realizou esta obra?
Em 1989, Paulo Ursine publicou a sua primeira antologia de poemas, intitulada GRITO ANTIGO, um dos comentários fora UM RIO DE ÁGUAS LÍMPIDAS, publicado por ele num comentário, dentre outros comentários de professores nossos, amigos, e o prefácio. Publicado, disse ao Paulo Ursine "Somos amigos na vida e nas letras. Chegou o momento de eu contribuir com a sua "vida de escritor", depois deste comentário. Passe um final de semana em Curvelo, vou-lhe apresentar alguns amigos, tenho certeza de que alguém irá adquirir. Apresentei-lhe alguns amigos. Levei-o à Faculdade de Letras, no sábado à tarde, apresentei-o a alguns professores, se não me falha a memória à Diretora da Faculdade. Paulo Ursine doou o nosso livro à Biblioteca.
Passamos o resto da tarde de sábado, no meu escritório, na minha residência. Minhas quatro mães ficaram felizes com a visita de Paulo Ursine, levando-nos lanche até onde horas da noite. Nós dois escrevendo este texto. A noite inteira. Um texto a quatro mãos. Não saberia reconhecer o que escrevera ele. Só lhe disse: "Vamos escrever um monólogo analítico. Cada dia da análise, no divã, o analista ouvindo, o personagem busca desenfreadamente a sua identidade".
Não me lembra se escrevemos durante o dia de domingo. Lembra-me ter ele dito no instante em que subiu os degraus do ônibus, de volta a Belo Horizonte, dizer-me: "Manoel, o que escrevi é seu. Faça o que bem quiser."
Reli o já escrito, e fui trabalhando, trabalhando, com uma preocupação enorme, não poderia mudar uma palavra do que ele escrevera, o ipsis litteris, o original, responsabilidade realizada a contento. Assim que nos encontramos semana depois de nosso encontro, ficara eu em Curvelo, entreguei-o. "Guarde com você, Paulo Ursine".
Não me é sabido se Paulo Ursine percebeu que no final de 1989 estava lhe pedindo para guardar muitas coisas minhas. Mas, em verdade, em verdade, estava a despedir-me dele. Iria embora de Belo Horizonte, e não sabia se retornava a Curvelo ou partiria para outro lugar, lecionar Inglês, Português, Literatura. No final de fevereiro de 1990, comuniquei ao Paulo Ursine que iria embora para São Paulo. Duas semanas depois, despedimo-nos. Voltaria a Curvelo para cuidar das minhas coisas. Aos 22 de março de 1990, tomei o ônibus na Rodoviária de Belo Horizonte rumo a São Paulo.
Encontramo-nos algumas vezes na Universidade, nas minhas viagens de São Paulo a Belo Horizonte, vice-versa. Retornei a Belo Horizonte em 1996, encontramo-nos. Residi lá alguns meses, lecionando Inglês, já era pai de meu primogênito, nascido em 1994, o caçula estava sendo gerado, nascera em Contagem em 1996, e depois retornei a São Paulo, e não mais tivemos qualquer contacto.
Aqui está a história de ANÁLISE, um texto a quatro mãos, hoje as mãos não importam mais, uma obra que escrevemos em parceria, e não apenas reunimos os nossos contos, cada um contribuiu com cinco, publicamos CONT.ANDO. ANÁLISE nós escrevemos juntos.



(**RIO DE JANEIRO**, 17 DE FEVEREIRO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário