Total de visualizações de página

domingo, 26 de fevereiro de 2017

**FAUSTO DE FESMONE** - VERSÍCULO I - PINTURA: Graça Fontis/SÁTIRA: Manoel Ferreira Neto


Há-de se fugir a sete pés do paraíso celestial, é início da mesmidade, do tédio, há de se fugir a sete pés da ressurreição, do "lado direito" de Deus, é início das circunstâncias in-circunstanciais da vida que são con-ting-ências , fazer tábua rasa do amor e da compaixão não é melancolia da perspicácia, não é nostalgia da percuciência, simplesmente sibilo do inaudito. Devagar se vai corrompendo valores e virtudes... E se o longe for fora do mundo, no abismo do inferno, só lá será o início das glórias, a eternidade de chamas são suficientes para o Templo HADISÍACO, e sentindo compaixão dos desvalidos, dó de tirar-lhes o pão de cada dia não se chega nem no meio do caminho.
Paz na terra aos corruptos de bons instintos, sem alma!...
Há-de se fugir a sete pés de quem não veste a pele do lobo, pois que jamais poderá uivar livre e solto na noite do apocalipse das naúseas, nas trevas luciusíacas do sem-fim, acariciando a pele suave das glórias eternas alcançadas ;
Paz na terra aos corruptos de bons instintos, sem alma!...
Há-de se fugir a sete pés de quem será gato angorá por toda a eternidade, pois que não sentirá o prazer da vovó de Collorina em receber, re-colher e a-colher em sua choupana na nordestina caatinga, depois que o filhinho amado e querido deixou-lhe todas as suas economias suntuosas para guardar a sete chaves e levá-las para o limbo, à espera da visita calorosa de Mefistófeles;
Paz na terra aos corruptos de bons instintos, sem alma!...
Por todo o In-finito das Trevas e das Chamas, por toda a Eternidade do Vazio e do Nada, nada estará corrompendo senão a si próprio que não anseia angustiadamente o Bem e a Verdade. Estará penando no próprio Caldeirão de Chamas, e nada conseguindo realizar, só enchendo a sua Mansarda de Prosélitos e Capachos.



(**RIO DE JANEIRO**, 26 DE FEVEREIRO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário