Total de visualizações de página

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

#AFORISMO 75/STRINGÊNCIA-AD DE PRIMEIRAS ILUSÕES** - GRAÇA FONTIS: PINTURA/Manoel Ferreira Neto: AFORISMO & SÁTIRA


"Chegará o tempo que a humanidade se libertará do berço esplendido dos orgulhos e importâncias da raça, estirpe, descobrirá que são eles os que trazem, sempre trouxeram, nas mãos feitas concha as primevas idéias verdadeiras da vida e das cositas dialéticas do tempo e do ser, do verbo e do ser, tempo e vento, vento e ser" (Manoel Ferreira Neto)


Epígrafe:


#Já no alvorecer a prepotência coabita o cerne das efêmeras raízes do intelecto volúvel, tacanho, estagnando as chances de advires portentos a abrilhantarem infinitude de conhecimentos futurais#(Graça Fontis)


Os parvos estão sempre persuadidos de que as causas a que servem são essencialmente melhores que as outras causas do mundo, e não querem acreditar, nem diante de pelotão de fuzilamento, câmara de gás, enforcamento, injeção letal, que a causa deles necessita, para prosperar, progredirem, conscientizarem, exatamente do mesmo estrume malcheiroso que requerem todos os demais empreendimentos humanos.


Nada e nonadas dos parvos, na adstringência de primevas ilusões, quando trazem no coração e na cabeça o rigoroso e pujante método da verdade, e que por outro lado, graças à evolução da humanidade, tornam-se tão delicados, ternos, finessados, diplomados, susceptíveis e sofredores a ponto de precisarem de meios de cura e de consolo da mais alta espécie, de milagre e de sede saciada da mais solene raça e laia; daí surge o perigo de se esvaírem em sangue ao conhecerem a verdade, ao se conscientizarem de que a ilusão, a mentira, a representação têm pernas curtas, a verdade não lhes é senão modo e estilo de tripudiarem os instintos que lhes são peculiares, quiçá linguagem e verbalidade de blasfemarem com as doenças emocionais, o que lhes habita o mais profundo da carne e dos ossos, trans-elevarem a razão em nome de alguma dignidade fantasiosa.


Parvoíce de nonadas e nada. Trocam as palavras de lugar para darem sustância ao que chamam de idéias originais, trocam, com a troca das palavras, alhos de parvoíces por bugalhos de perspicácias, mas as nonadas e os nadas permanecem lívidas e vivas, não lhes sobrando outros resultados senão os risos e gargalhadas das pessoas, caçoando-lhes as agilidades e perspicácias da inteligência, provocando-lhes muitos pinotes e saltitâncias para entenderem e compreenderem os motivos e razões. Na verdade, na verdade, oh, que sina, que saga, nasceram para ser incompreendidos, mas a esperança é a última que morre, chegará o tempo que a humanidade se libertará do berço esplendido dos orgulhos e importâncias da raça, estirpe, descobrirá que são eles os que trazem, sempre trouxeram, nas mãos feitas concha as primevas idéias verdadeiras da vida e das cositas dialéticas do tempo e do ser, do verbo e do ser, tempo e vento, vento e ser.


Quando não se tem linhas firmes e calmas no uni-verso da vida, como as linhas das montanhas e dos bosques, das margens dos rios, dos sinuosos caminhos da floresta, o próprio desejo íntimo do homem vem a ser intranquilo, disperso e sequioso como a natureza do citadino: não tem felicidade nem dá felicidade.


Aquando na universalidade existencial, nos instantes-limites da parvoíce dos parvos, segundos inolvidáveis, "... capta-se e afere-se toda poética, para que o poema resplenda, ilumine e sacie almas sedentas de conteúdos e beleza num alento sob o caos do existir", as ilusões primevas não se re-velam, não há... as stringências-ad a-nunciam as contra-dicções e nonsenses das moléstias mentais, pernosticidades, malevolências, vaidades... tudo isso num clímax de censuras recíprocas, "tudo isto é da vida". Aprender a ec-sistir é a ec-sistência, e o caos da ec-sistência não se mostra cristalizado, apenas a abertura para que se veja o infinito finito.


... Encarniçamento
Não combina carme
Não dá forma a enganos, quimeras,
Não engendra expectativas, sonhos
Não desaperta nodosidades de padecimentos, angústias,
Converte-lhes inteiramente gordianos,
Não liberta
Inquietações, receios, frenesis,
Não se desprendem
Mínguas, despovoado, insipidez,
Não atesta
Ocos, vazios, báratros do ânimo,
Não sustenta
Protótipos, intenções, anseios,
Não enlaça as mãos
Nas veredas e sémitas em comando ao perene,
Não dá luminosidade à existência,
Não tripudia, a ambiguidade
Stringência-ad de primeiras ilusões,
Ensombra, cega o fenecimento...


(**RIO DE JANEIRO**, 03 DE AGOSTO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário