Total de visualizações de página

sábado, 4 de março de 2017

**Ó CINTILÂNCIA IN-FINITA** - IN "PARTITURAS DO ESPÍRITO" - 01 DE MARÇO DE 2017** - PINTURA: Graça Fontis//PROSA POÉTICA: Manoel Ferreira Neto


Alvorecer de espectros perspectivados de luzes diáfanas, iluminando de pensamentos da liberdade as idéias, do tempo as utopias do ser da verdade que perpassa horizontes e uni-versos, finitos e in-finitos, confins e aléns, arribas e aquéns, cafundós e labirintos solsticiando as re-vezes das dialéticas, os re-versos das contradições, nada e vazio vagueiam nos liames da alma e espírito, assim caminha o ser subjuntivo do verbo literário da gnose, assim flutua o ser in-finitivo do silêncio poiético da sabedoria.
Peren-itudes, peren-idades
Perenes
Perpetu-itudes, perpetu-idades
Perpétuo



Periceias de Fro Zen...
Mistérios das brincadeiras, da negação
Acompanhada por um vendedor de gelo,
a jovem e destemida princesa Anna
parte em uma jornada
por perigosas montanhas de gelo
na esperança de encontrar sua irmã,
a rainha Elsa,
e acabar com a terrível maldição
de inverno eterno,
que está provocando
o congelamento do reino.



Crepúsculo de contingências da solidão incondicional entre o sentimento da a-nunciação do desejo e a emoção frígida da nonada habitando profundo a sorrelfa do paraíso perdido, o sol também acorda, levanta, brilha, após dormir de conchinha com a lua, pés cruzados com o uni-verso, soninho gostoso, leve como a pluma da leveza, como a insustentável leveza do ser.
Ó Cintilância In-finita - Não me deram a conhecer os homens, não me administraram a lição. Longe o tempo em que, não sabendo trilhar a estrada viva, voltei-me para vós e, confiante como criança, envolvi-a nos braços longa e deslumbradamente em minha contente piedade. Um mortal mal conhece a Pureza, a Inocência, a Ingenuidade. Mas, quando o In-finito se re-velou em mim, o Espírito em mim floresceu, como você floresce, ilumina, alumia, brilha, re-conheci-a e gritei: está viva. E porque jornadeia entre os mortais e, jovial, como o azul celeste, esplende de você a graça de raios brilhantes sobre cada coisa, a fim de que todas elas tenham a cor de seu ser, de seu espírito, foi por esta razão que também a vida se fez poesia, o mundo se fez prosa, o universo e fez filosofia. É que em mim esta seu verbo. E assim como você, meu coração se entregou livre à terra grávida. E, muitas vezes, na noite sagrada, na madrugada divina, prometi amá-la fiel e sem tremores, sem hesitância, sem dúvida, sem insegurança, sem medo até à morte, amar esta terra, toda carregada de sagas, sinas, destino, e não menosprezar nenhum de seus enigmas, subestimar nenhum de seus mistérios, negligenciar nenhum de seus silêncios.
Acima dos Deuses, do alto do éter até às profundezas do abismo, ressinto de novo o entusiasmo de criar, de artificiar o sentido, o significado do verbo trazendo em si a luz, Falar em seu ser é falar em seu silêncio. Falar em seu silêncio é falar em seu ser. In-fin-itivar em seu espírito é in-fin-itivar em seu ser. In-fin-itivar em seu ser é in-fin-itivar em seu espírito.



Periceias de Fro Zen...
Mistérios das brincadeiras, da negação...
Agilidade, perspicácia,
arrebiques, ornamentos,
Goeth amava-os com paixão,
E Mefistófeles e Fausto
Se confrontam nos devaneios
do conhecimento, da gnose,
das ciências.



Silêncio re-fletido atrás do espelho da solidão, a imagem límpida de perspectivas re-velada nos auspícios da luz, ribalta do absoluto, tablado do vazio, camarim de travessias, cores e arte fazem a face simples da nobre imortalidade, tecem os mistérios das brincadeiras, da negação.



(**RIO DE JANEIRO**, 04 DE MARÇO DE 2017)


Nenhum comentário:

Postar um comentário